DESENCONTROS – por olsen jr / rio negrinho.sc

 

Foi na arrumação de uma caixa que percebi o envelope, era uma carta entre duas mulheres contendo um perfil de alguém que uma delas parecia interessada, não fosse… Afirmava: “… Se você pretende ser uma pessoa nom grata na casa dele, basta fazer estas coisas, não necessariamente nesta ordem: depois de comer, limpar a boca ou as mãos no pano de enxugar pratos; utilizar o garfo com que está comendo para esgravatar uma salada ou qualquer outro à mesa; terminada a refeição, indagar se na casa não existe palitos; servir-se de uma fatia de pão e sair espalhando migalhas pela casa; esquecer o cigarro aceso no balcão do bar (o seu canto favorito depois da biblioteca) de maneira que a xepa queime e atinja a madeira”…

Fui lendo distraidamente o texto e achando curioso que alguém se desse aquele trabalho, continuo… “Mexer nas peças de barro que representam o nosso boi-de-mamão e perguntar se pode levar esta ou aquela figura de recordação; pedir um livro emprestado de sua biblioteca; no banheiro, fazer xixi e não acionar a descarga ou lavar as mãos e respingar a água num raio de10 cmao redor da pia; tentar beliscar a carne na churrasqueira antes que ela esteja assada; pedir se não dá pra gelar um pouco o vinho tinto”…

Comecei a prestar mais atenção naquele comportamento sistematizado, até porque estava constatando certa familiaridade com o que eu próprio fazia, sigo… “Fazer a seguinte observação, sem ofender, mas não dá pra por um pouco de açúcar no chimarrão; cortar o queijo com a mesma faca com que você usou para passar geléia no pão; adoçar o café com a colher do açucareiro; perguntar se “ele” já consertou o desgraçado do telhado”…

Já estava identificado com muita coisa ali, ou então era uma grande coincidência, avanço… “Indagar quando irá por uma maldita lareira naquela casa; questionar se é bom morar sozinho naquele paraíso; especular se “ele” não gosta de outro grupo musical além dos Beatles; descobrir se “ele” não tem um interesse honesto por outra coisa que não sejam os livros e a literatura; ousar conhecer os segredos do “feiticeiro”, ou seja, saber se “escrever é fácil”; confirmar o que disse o poetinha Vinicius de Moraes, se o cachorro é o melhor amigo do homem ou se o uísque é o cachorro que vem engarrafado; finalmente, você sabe que “está na hora de ir embora” quando, imitando o mais nobre sotaque ilhéu, “ele” pergunta: — “Já vais? (pronunciando como um manezinho: — “Já vásss?”.

Se este cara aí não for minha “alma gêmea” então sou eu mesmo. Não contenho o riso. A carta estava datada de 1995 com a recomendação de me ser entregue depois que sua autora estivesse viajado para os Estados Unidos… Nunca dei importância, talvez a encarregada da incumbência não me inspirasse confiança e tivesse pensado que a tal carta fosse dela… Cá entre nós, não mudaria nada, afinal a cretina tinha feito uma radiografia acurada, claro, passado tanto tempo poderia ser acrescentado outros detalhes, aliás, o detalhe é a sofisticação do método, mas ela concluiu bem na carta para a amiga “… Meu anarquismo plebeu não combina com as esquisitices de um intelectual”…

E se fosse o contrário, penso, com esta sensibilidade, a escritora poderia ser ela!

 

 

NOTAS:

 

Olá, camaradas, salve!

Com esse texto me despeço…

Vamos manter a comunicação…

Em breve retomo, de outro lugar… Assim espero…

 

http://www.youtube.com/watch?v=CKHA2AGbXtI

Essa música “You’ve Got to Hide Your Love Away”, dos Beatles integra o

álbum “Help” (1965) e também faz parte da trilha sonora do filme de igual nome…

Sempre tive um carinho especial por ela, pela sonoridade, eles eram muito musicais…

Foi a segunda música em que convidaram alguém de fora (o flautista John Scott) para participar de uma gravação…

A primeira vez foi com “Love me Do”…

A letra diz que “você deve esconder o seu amor”…

Well, não é fácil… Nem esconder “o seu” amor e tampouco partir… Ir embora…

Dói…

Dói mesmo!

Até breve in another place…

 

About these ads

3 Respostas

    1. Olá Daisy, salve!
      Grato pela surpresa do teu comentário… Bom saber que neste Brasis (como se dizia e outros tempos) há pessoas sensíveis distribuídas aleatoriamente de maneira a mantê-lo grande e unido… Carinhos do poeta e vamos manter contato… Até!

  1. E ainda tem gente que questiona a intelectualidade na pós-modernidade. Posso falar um palavrão? PQPARIU! Há quanto tempo não leio algo tão divinamente expressivo, bem escrito, bem amado, bem sincero. Parabéns, escritor Olsen. Você é simplesmente maravilhoso. Homem poeta escritor, daqueles que eu quase não vejo mais, você ultrapassa a barreira (do som?) – Não! A barreira da geleira wébtica, amei te ler nesta manhã em que entrei no meu computador na deseperança das coisas iguais. Parabéns, Preciso de ti (contacto). Beijo com salva de palmas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 401 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: