Arquivos Diários: 5 novembro, 2007

LAWRENCE DURRELL furioso

Sobre a tela “Mona Lisa”


Ela tem o sorriso de uma mulher que acabou de jantar o marido.

SONETO – de nelson padrella

Onde estão as fêmeas que cercavam
o tempo em que de jovem me vestia?
Das tábuas de tal cerca só os vãos
restaram. Quiçá uma ou outra tia

Gorda, envelhecida, desdentada
ainda busque trepar por sobre o muro
candidatando-se ao cargo de amada
que eu, a essas alturas, não aturo.

Pois o tempo passou. E cá fiquei
assim jovem, assustado com a velhice
em que subitamente me flagrei.

Onde estão Wilma, Célia, onde Alice?
Exatamente ali onde as deixei:
– No Campo Santo, onde ninguém as pice

O EXALAR da CORRUPÇÃO – por bru anchieta*

Em seus ateliês diabólico-políticos, corruptos alinhavam sua “roupa de roubalheira”.
Com linhas daltônicas, ludibriam as nossas retinas já tão fatigadas.Discursos demagógicos e irreais, defesas patéticas, desculpas descartáveis, com o pseudo-discurso de estarem fortalecendo a nossa democracia.Podemos falar em direito do povo quando o cenário traduz um tráfico perene de favores, entre os nossos governantes, favorecendo somente a eles e a uma casta reduzida? Falar em revigoramento da democracia em tempos que ela é alvejada indiscriminadamente não seria um enorme paradoxo? Como podemos advogar a tese que os nossos direitos são assegurados e salvaguardados por um país que exala corrupção? Os questionamentos são em demasia.
Entretanto, as respostas andam cada vez mais longe de nossas vistas. Um país que o imperativo da bandalheira rege nossos passos torna-se difícil pensarmos em democracia e a celeuma é ainda maior no que tange as respostas para as nossas angústias.Esperamos que um dia eles fiquem desnudos perante a verdade e percebam ademais a face sofrida da nossa gente, gente humilde e pobre que, na maioria das vezes, não tem o leite e o pão de seus garantidos.

Espero sinceramente que eles herdem os escombros da babilônia brasileira e que em algum de seus jantares agradáveis bebam o cálice da dor, a mesma que vitima milhões de brasileiros pobres que esperam ansiosamente por uma melhora em suas vidas…

*o autor é estudante de comunicação da UFMA