INVENÇÃO DE S – conto de luis felipe leprevost

Como é S? Como você gostaria que fosse? Como eu acredito que ela deva ser? E como é que S gostaria de ser?

É daquelas que nas ruas e supermercados encara os homens? Não. Ou somente com discrição. Mantêm na maioria das vezes os olhos baixos. E tem um profundíssimo olhar de peixe de recônditas águas frias, de túneis de neblinas densas, de silêncio sentimental olvidado em si mesmo.

Porém os homens miram a todo momento a silhueta de S. No entanto, só aqueles que procuram mulheres não vulgares. S não é das que chacoalham as ancas às insinuações e assobios, galanteios e frases de efeito para popozudas de plantão. Ô lá em casa, se você quer saber, é um exemplo de tais frases, entusiasticamente utilizadas por pedreiros, entregadores de panfletos, taxistas e motoristas em geral.

Com S é diferente, ela se guarda, não com recato, senão porque há alguma vocação em S para a sabedoria. Invento eu suas vocações. Invento se é sábia ou não. Invento, sem pudores, uma S semelhante à musa que era tão cheia de pudor que vivia nua. Invento. Desenho S com tintas humanas. Não, é S quem me desenha.

Envio S para longe? Ou ela é que permanece em mim lá onde sou estanque, sangue coagulado?

S não é alta, se você quer saber. Deduzo que estudou balé clássico em remota época do colegial, dada sua postura retilínea.

S tem maçãs no rosto, não avermelhadas, em verdade, um tanto pálidas. O rosto é bem desenhado, boa geometria. O seu narizinho é quase implicante. Alguma semelhança com Dorothy Parker na flor ferida de sua beleza. É um nariz levemente arrebitado, pequenino. Narinas que lançam pouco ar para fora. Os lábios são menos que grossos, mais que finos, mais que asiáticos, menos que africanos.

E a voz de S? Turva, soprada, diria, nem grave nem aguda. É uma espécie de voz recém amanhecida.

S fuma? Fuma. Socialmente. E quando é acometida por stress, quando se sente pressionada ou acuada. É elegante o modo como fuma. Os lábios, a maneira como contornam o cilindro queimando. Não há nada de pornográfico em S fumando. Erótico, talvez. Sensual, sem dúvida, mas ainda assim respeitando as particularidades de sua timidez e da meiguice de suas características.

S executa ações de esmagar o toco no cinzeiro, de soltar para cima a nuvem de fumaça, como fossem acontecimentos displicentes quando intimamente foram estudados.

S abre vez ou outra a bolsa pequena e preta, sem alça e de coro, e tira de dentro um tablete de Halls Preto, e mastiga a bala como nalgum piquenique à belle époque.

S é aquela espécie de mulher que de uma hora para outra te crava os dentes na goela quando você menos esperar. Assim é que comprova sua mordedura saudável, com três ou seis obturações em dentes que um dia chegaram a doer bastante. E é agradável vê-la comer.

S tem têmporas adocicadas, bem delineadas pela parceria com a curva do cabelo negro, cortado algo próximo, porém mais moderno, do estilo Chanel, estrategicamente bagunçado.

Assim mantenho o pescoço de S revelado. As costas são lisas, mas com algumas pintas, menores e maiores, porém sem nenhuma mancha. Que magníficas costas, eretas, simétricas. Paralelas são suas omoplatas. À orla de sua cintura há carnes apalpáveis, conhecidas graciosamente por pneuzinhos.

E os seios? Túrgidos. Nem um pouco afobados dentro do soutienzinho. Talvez eu exagere em relação ao soutienzinho, afinal não são mínimas azeitonas os seios de S. Bolinhas de tênis, talvez, levemente derretidas em fogo brando, e açucarados, delicatessen. Aliás, não são seios, são peitos, peitinhos de medida e envergadura beirando a perfeição.

E o que mais? S não é radiosa, não obstante, o que há de opaco nela é, justo, o que provoca fascínio. Tem ossos leves, e uma pele sem excesso de colágeno. O Paraíso é uma fragrância. Sempre cheirosa é a minha S, com a lavanda que casa perfeitamente em seu suor nem tanto salgado.

S não é de usar vestimentas pesadas, de difícil despir. La Maja Desnuda, sempre veste jeans da marca Levi´s, com suas misturas de índigo e lycra. Blusinha de algodão, e casaquinho de lã por sobre o ombro em caso de sereno. E lá na extremidade inferior de seu corpo, envolvendo pezinhos que são folhas sem peso, S calça indefectíveis sapatilhas.

Uma resposta

  1. Momentos que não nos deixam indiferentes…

    Passei para actualizar a leitura e deixar um abraço
    ;))

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: