INVENÇÃO de LF conto de luis felippe leprevost

E se eu o chamar de LF? Parece-me bem, é justo. Aqui entra na história LF. Explico: Lembra que teve um momento lá atrás (ler Fagulhas, irrelevantes fragmentos de narração) em que me levantei e fui ao banheiro? A propósito dessa ida farei agora um flashback para o interior do banheiro.

O barulho do mijo na água da privada. Alguém que tivesse usado antes de mim aquele sanitário também não havia dado à descarga. A água suja, amarelada de um amarelo espesso e escuro. Preciso diminuir o café. Chacoalho o membro (como naqueles textos que a gente pode ler no http://www.contoseróticos.com.br). Ele mesmo, o pau, está um tanto encolhido, em respeito ao frio, espero, o que dificulta um pouco a manobra. Caem pingos na cueca. Levando o zíper da calça. Preciso decidir se lavo as mãos ou não. É líquido o sabonete que tem ali, odor de morango. Ok, excepcionalmente as lavo. Minúcias de decisões que devemos tomar nos banheiros. Depois faço um bochecho com água da pia. Enxáguo o rosto, a barba fica empapada. Enxugo-os com a toalha de papel. À força arranco do maldito suporte mais uma folha. E enquanto esfrego o rosto com uma terceira toalhinha me sinto culpado, meus olhos acabam de se deparar com a frase duas toalhas são suficientes para secagem das mãos. Mas estou secando a boca e o queixo babado, menos mal para o meu lado, é, afinal, uma boa justificativa à meu favor. Droga, com a quarta toalha penso não em enxugar o rosto, mas em apagá-lo.

É, estou me olhando no espelho. O que vejo? Barba, muita barba, como fosse um terreno baldio tomado por vegetação o meu rosto. Em meio aquela fauna e flora meus óculos se anunciam cheios de rancores em relação ao que me ajudam a ver. Por trás dos óculos, olhos verdes. Olhos verdes com chuva de granizo dentro. Meus cabelos são aloirados, alguns fios brancos. É uma vasta cabeleira que ainda não decidiu se vai cair ou embranquecer.

Visto um pulôver claro, cor magenta, manchado de café. Um corpo. Um corpo que nos últimos seis meses perdeu uns trinta e poucos quilos e mesmo assim ainda está mais para Pingüim do que para Batman. Pelo menos não sou um daqueles idiotas do Clube Curitibano que ficam disputando para ver quem é que agüenta correr por mais tampo encima de uma esteira ergométrica, para depois no Bar do Tênis se vangloriar por ser o novo campeão da Olimpicc.

Espelho espelho meu será isto aqui um filme de Jim Jarmusch? É a chance que tenho para me inventar. Talvez seja bom me ver assim tão turvo, desfocado. As deformações estão mais por trás da imagem que vejo. A máscara não é a própria cara, porém não é capaz de não traí-la repetindo suas feições e expressões de impiedosa auto-denúncia. Não sei se sou capaz de me construir em detalhes, e não me importo. Sei que informar a um leitor que o personagem não reagiu, que o personagem é todo ele a ausência de um sorriso, sei que tais detalhes dirão mais sobre ele do que construí-lo minuciosamente osso a osso.

Dou outra olhadela no espelho, a última, antes de sair do banheiro. Sei que construo de mim alguém que poderia ser chamado Solidão. E a meu ver tudo isso é menos que diabólico, menos que angelical. Devo ser um personagem que ficará no meio do caminho. As medidas daquilo que invento estão em meu punho doído, na força que os dedos têm que fazer para manter a caneta correndo no papel. As que estão ali em minha frente certamente são feições de tristeza.

Penso: Admita, paspalho, admita que você aprendeu direitinho a mimese da tristeza. Você é um canastrão, o melhor papel que faz é de macho condoído. Todas as ausências de caras-e-bocas, todas as faltas de entusiasmo se assiste em tua cara. Nem essa overdose de inconsciência te salva. Você é um cachorro, um dog, dos mais desprezíveis, você e tua cara de carente profissional, abanando o rabo para primeira garotinha um pouco esperta que aparece na tua frente.

Agora me pergunto se cachorros morrem de amor. Não, cachorros não morrem de amor. Cachorros morrem atropelados. Morrem da falta de ração. Mas não morrem, não mesmo, de amor. Se ao menos eu fosse um cachorrão fodedor, teria uma mandíbula temida e desejada. Deixaria minha marca indelével em cicatrizes eternas.

Será esse o personagem que busco? O sujeito que fará par romântico com S? Será essa triste figura o meu LF? Devo temê-lo? Quanto tempo de pesquisa frente a um espelho para extrair algo real de dentro daquela imagem, algum sinal de que ali há vida? Mas espelhos não guardam nada, espelho não guardam nem borrões de lembranças. Só um kamikaze procuraria um personagem onde seus piores sentimentos vieram à tona. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: