OFERTÓRIO/corpo poema de jb vidal*

ando a oferecer à quem possa interessar,
este corpo injecto de sensações
das mais puras às mais imundas,
um corpo que sente e dá sentido,
um corpo que ama e odeia,
lamenta, sorri, avança, recua, tem fome e busca outro,

um corpo viril e espartano
vítima de elogios e difamações,
um corpo que treme diante das salivas vaginais
e se entrega à loucura como última saída,
que espermeia bucetas de rainhas e criadas
e se prostra inútil diante do nada,

um corpo que experimenta prazeres e dores,
dos mais sutis às mais diabólicas,
um corpo que sente a agonia dos ossos
anunciando o limite das células cansadas,
um corpo que trabalha e produz falsidades
e termina o dia evacuando ilusões,

um corpo perfumado e fétido
abalado e abatido,
com a boca sangrando de  beijos infernais,
um corpo que interrompe o vento e faz a sombra,
que semeia gente e colhe iras
cai, rasteja, levanta e vomita ladainhas,

um corpo pronto para morrer,
pois sentiu de toda podridão,
carrega consigo os vermes que limparão seu esqueleto
branco-sujo pelas carnes amoldadas,
um corpo que, apodrecendo, levanta o braço com dedo em riste
acusa a humanidade de ter falhado

* poema do livro OFERTÓRIO a ser publicado em 2008.

Uma resposta

  1. Rita Costa & André L. Soares | Responder

    Que maravilha! Poema forte e de rara beleza, contendo caracteristicas muito presentes na poesia urbana, influenciada pelo caos em que vive o ser humano. Gostei mesmo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: