SURPRESA do EQUILIBRISTA poema de sergio bitencourt*

Na profusão dos dias, aventureiro
Na difusão das trajetórias,dinheiro
Nas aparentes escapatórias, prisioneiro.
 
De súbito no centro da corda, bamba
Na percepção acorda e tomba,
Na queda aborda e bomba!!!
 
Eclode aos pedaços,
Junta-se, enlaça-se, flui e ligeiro
A ventura chama para tomar altura
No Verdadeiro.
 
Feliz fluxo, não transborda,
Não há, Não houve, Não Haverá
Corda.
 
TUDO INTEIRO!!!

*o autor é engenheiro civil e poeta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: