SONETO DESPEDIDA de florbela de itamambuca

comunique ninguém pro funeral
não tenho consciência a insana juíza
não conheci a bebê — não quis — precisa?…
te peço então que a entregue a algum casal
 
daquela filha o único sinal
que ainda guardo debaixo da camisa
são os restos dos gestos da sua bisa
e este velho cordão umbilical
 
economize o chão do cemitério
esqueça meu cadáver nalgum brejo
a lápide: o silêncio o luar mistério…
 
cultive esse segredo e eu te protejo
do verme pesadelo que digere-o
morrer foi o meu último desejo
 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: