MÃOS no FUNDO poema de darlan cunha

           
Abranda em teu ser o cansaço
de não saberes de onde partiu tanta noção
de beleza, acalma em ti
o medo de que venhas tudo perder, desce comigo
esta rampa rumo ao Espanto, vamos
que o sol dura apenas um dia, descansa, e retorna
para perguntar aos nossos ombros
o que fizeram em sua ausência.

Vamos, desçamos a rampa, subamos
o que houver para subir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: