Arquivos Diários: 11 janeiro, 2008

DISCURSO conto de josé alexandre saraiva

Nos idos de 1970, fui convidado para assistir a memorável e merecida homenagem prestada pela municipalidade do Rio de Janeiro ao consagrado teatrólogo Olavo de Barros. Curitibano, nascido em 1892, em plena Rua XV, Olavo de Barros foi pioneiro do rádio-teatro, prestigiadíssimo no Brasil e no exterior, atuou na Europa e obtendo aplausos da crítica especializada. Escreveu oito livros e dirigiu as principais companhias teatrais de sua época. Conquistou o público e a crítica como autor, ator, galã, professor da arte cênica e mestre em prosódia.
Na ocasião, também recebia idêntica homenagem (título de cidadão carioca) um general da reserva, pelos relevantes serviços prestados à Nação. Foi o primeiro a falar. O esplendoroso Teatro Municipal estava lotado.
Às dezessete horas em ponto, nosso general inicia seu discurso —o mais longo e enfadonho que meus ouvidos, por força das circunstâncias, tiveram que suportar.
A atriz Henriquieta Brieba e o crítico de teatro Jota Efegê, convidados de honra pelos vínculos que mantinham com o homenageado civil, sentaram-se ao meu lado – ela à esquerda, ele à direita. A atriz Cordélia Ferreira, irmã de Olavo, também sentou-se na mesma fileira.
O general dispara o verbo, valorizando pausada e paulatinamente cada palavra. Mais ou menos assim (aqui, me permito o recurso da síntese e da imaginação para não repetir os mesmos enfados):
“Em 1914, cheguei a esta Cidade Maravilhosa em busca da sobrevivência. No Nordeste, deixei os folguedos da juventude e, já no primeiro semestre, alistei-me no exército, cumprindo meu sagrado dever cívico. No mesmo mês, consegui emprego numa fábrica de biscoitos.”
“No segundo semestre de 1914, concluí os estudos secundários, que antes havia interrompido por força maior.”
“Ainda no segundo semestre de 1914, comprei a prazo um dicionário, uma enciclopédia e uma coleção de obras literárias, incluindo uma biografia de Napoleão Bonaparte, para enriquecer meus parcos conhecimentos.”
“Corria o mês de janeiro de 1915 e numa noite de torrencial tempestade, relâmpagos e trovões…”
E assim foi indo o orador, em meio a flores, holofotes. Cada ano, cada estação, cada mês, cada dia, cada noite, cada alvorada, cada pôr-do-sol, cada pingo de chuva, cada estrela, cada marechal.
As horas não passavam… Henriquieta Brieba entrou em sono profundo. Jota Efegê, com aquele ar de tolerância por dever do ofício, fazia círculos silenciosos com os polegares em movimento, enquanto os demais dedos, rígidos, permaneciam contidos e entrelaçados, comprimindo a barriga.
O general seguia firme e determinado, dissecando as horas e os minutos constantes de sua rica e fantástica trajetória.
“Em 1926..”.
“Em 1927…”
“Em 1928…”
E os anos foram arrastando-se lentamente, sofridamente para “nosostros”. Lá pelas tantas, um súbito ruído de uma poltrona na fileira de trás fez Henriquieta despertar.
Atônita, ela se virou para mim, deu uma gostosa bocejada, encostou os dedos em meu ombro e perguntou:
— Meu filho, em que ano ele está?
— Em 1953, faltam 21 anos para 1974 – respondi.
— Obrigada — disse ela, acrescentando: quando ele chegar em março de 1964, por favor, me acorde. E voltou a dormir.

RETIFICAÇÃO e AGRADECIMENTO da editoria do blog

OBRIGADO LUCIANA ELLER!!

que possa este mundo virtual, sério e desonesto, ao mesmo tempo, contar com outros milhões de Lucianas atentas e sempre dispostas a corrigir injustiças, denunciar plágios, falcatruas e outras merdas que os frustrados, os picaretas, os covardes que se escondem no anonimato para expor as suas vísceras nojentas que ocupam seus cérebros raquíticos.
obrigado luciana.


jb vidal

Equipe palavreiros da hora


NOTA da EDITORIA:

este site (em outro host pois este teve inicio em 01/12/07) publicou em 06 de novembro o texto: CIRURGIA de LIPOASPIRAÇÃO? como sendo de autoria do sempre grandioso HERBERT VIANNA, que com certeza nem imagina o fato, enviado através de email por um leitor do blog, o qual já foi notificado do caso para suas considerações que esperamos sejam convincentes.
a “navegadora” luciane eller detectou a fraude e postou um comentário, no post, apontando a irregularidade e enviando por email o original de autoria de ROSANA HERMANN a quem solicitamos, de público, as suas desculpas. apesar de todo o rigor e atenção que tomamos com referência aos autores, na internet pode ocorrer tais fatos em razão das pessoas mal intecionadas que habitam o mundo virtual. segue o texto original constante do email de luciana eller:


Mais um da Rosana Hermann . Este texto foi roubado do blog da Rosana, adulterado e postado no orkut como se fosse de Herbert Vianna e ganhou o título “Vaidade” (leia mais aqui ). Aí vai a versão original:

“no trabalho e.. chocada”
Rosana Hermann

Cantor do LS Jack é internado em coma no Rio após lipoaspiração É possível isso? É admissível isso? Um rapaz de 27 anos ter uma parada cardíaca e entrar em coma após uma cirurgia de lipoaspiração?
Pelo amor de D’us, eu não quero usar nada nem ninguém, nem falar do que não sei, nem procurar culpados, nem acusar ou apontar pessoas, mas ninguém está percebendo que toda essa busca insana pela estética ideal é muito menos lipo-as e muito mais piração?
Uma coisa é saúde outra é obsessão.

O mundo pirou, enlouqueceu.
Hoje, D’us é a auto imagem.
Religião, é dieta.
Fé, só na estética.
Ritual é malhação.
Amor é cafona, sinceridade é careta, pudor é ridículo, sentimento é bobagem. Gordura é pecado mortal.
Ruga é contravenção.
Roubar pode, envelhecer, não.
Estria é caso de polícia.
Celulite é falta de educação.
Filho da puta bem sucedido é exemplo de sucesso.
A máxima moderna é uma só: pagando bem, que mal tem?

A sociedade consumidora, a que tem dinheiro, a que produz, não pensa em mais nada além da imagem, imagem, imagem.
Imagem, estética, medidas, beleza. Nada mais importa. Não importam os sentimentos, não importa a cultura, a sabedoria, o relacionamento, a amizade, a ajuda, nada mais importa. Não importa o outro, a humanidade, o coletivo.
Jovens não tem mais fé, nem idealismo, nem posição política.
Adultos perdem o senso em busca da juventude fabricada.
Ok, eu também quero me sentir bem, quero caber nas roupas, quero ficar legal, quero caminhar correr, viver muito, ter uma aparência legal mas… uma sociedade de adolescentes anoréxicas e bulímicas, de jovens lipoaspirados, turbinados, aos vinte anos não é natural. Não é, não pode ser.

D’us permita que ele volte do coma sem seqüelas.
Que as pessoas discutam o assunto. Que alguém acorde. Que o mundo mude. Que eu me acalme. Que o amor sobreviva.

PS – Desulpe o desabafo, o texto em um fôlego só. Mas sabe, isso é um blog.”

NOTA DO EDITOR: em 13/01/08 luciana eller envia este email para o blog:

Bom dia.Muito obrigada por sua nota de agradecimento, no entanto, creio que ela não seja justa.
Gostaria de pedir que a altere, se possível. Eu explico:
O texto que constava no e-mail que lhe enviei, conforme referência contida no mesmo, foi retirado do blog ” autordesconhecido.blogger.com.br“. É Vanessa Lampert, autora do blog e ávida pesquisadora,  que merece os créditos, por ter tido todo o trabalho, não só neste texto, como em inúmeros, como você pôde constatar no blog.

Gostaria que os créditos fossem dados a quem é de direito, visto que, do jeito que está atualmente, parece que a plagiadora sou eu, roubando textos alheios.

Repito: o trabalho de pesquisa que eu tive foi mínimo (Google e afins), se comparado ao da autora. Por favor, peço-lhe para corrigir esta injustiça. Eu creio na seriedade do seu blog e que, assim como você não quis cometer uma grande injustiça à verdadeira autora do texto em questão, eu não gostaria de fomentar mais uma.
Todos os créditos devem ir para o blog autordesconhecido.blogger.com.br, de autoria de Vanessa Lampert, não pra mim.
Desde já agradeço,
Luciana Eller
publicamos com grande prazer o seu email, e tenha certeza que o trabalho realizado pela vanessa lampert é de um valor inestimável para o mundo virtual, entretanto, quem acendeu a luz vermelha, aqui no site, foi você, por isso, reiteramos nossos agradecimentos.

jb vidal

EDITOR