Arquivos Diários: 21 janeiro, 2008

burra eu te amo – poema de jorge barbosa filho

deves sonhar jegues
saltando cerquinhas prá lá pra cá
pelo curral da imaginação,
para que farfalhes tantos
charmes de odor capim.
deves dar com os pensamentos n’água…
ainda que penteies as idéias
conforme a ocasião:
burra te amo!
meu coração é um vasto pasto,
confesso que teu férreo passo
é minha sorte, meu talismã.
ainda mais que acertei no bicho
e na intenção,
nem vou contar-te,
vou contemplar-te com cangalhas,
luas-de-feno e buquês-de-alfafa
na melhor estrebaria da região.
vem cavalgar, no meu vasto…
vasto mundo…
deleitar esporas e chicotes sensuais
zuzurrando e empacando,
amor…

“SANDYNIGHT” poema de sérgio bitencourt

Champagne com cerejas e calma,
São um complemento
Para o alimento
Do corpo e da alma.

Além de que aos pouquinhos,
Você vai fazer biquinhos,
Que acolho com brilho nos olhos,
Pelo frescor que cura,
De tanto charme e doçura.

Ainda mais se toda esta beleza,
Se fizer acompanhada
Do Amor da Mulher Amada,
E da Música Francesa.

À SOMBRA DOS MURAIS EM FLOR poema de bárbara lia


(para Frida Kahlo)
 

(Cravos na pele
os seios
a coluna jônica
a pele tolteca
os pregos
os pregos
via-crucis
expiação)
Pinto em palavras
A tua dor.

Sonho teus sonhos.
Vivo os
 maremotos sutis.
As espinhosas horas
Que nos traz o amor.
Pinto girassóis de aço.
Espumas.
Estrelas.
Vou colorindo
Com vulcânicos
Abraços
A solene tela
(Riso-sol de meu Diego,
À sombra
Dos murais em flor)