O PASMO NA CASCA DE UMA PEDRA poema de darlan m. cunha

Se algum legista quebra as pernas
de um acordo tácito, e a mulher combina
um novo par
de brincos com um sutiã

de seda
chinesa, ou cetim paraguaio, novinho
igual a tudo o que a vida leva de tanta gente ainda

no berço, não te desesperes
tanto, não,
que a vida vive com poemas duros feito peroba
ou aroeira, de dentro deles saltam
ariranhas e araras, dunas

foram pedras, e com quebras
de linha é que o artista quebra as curvas
do modelo, tentando aplacar as ondas do mar
que dentro dele se quebram

e o quebra.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: