Arquivos Diários: 29 janeiro, 2008

era o tempo – por jb vidal

era o tempo em que eu voava, de folha para árvore, sobre oceanos, rochedos, e os rochedos eram moles, era gelatina os mares, as árvores, eram de papel e o papel não se deixava escrever, a tinta só no mundo, na pata não, meus irmãos corriam, de uma sombra para outra, no solo, e o solo era de nuvens, brancas, e não faziam sombras, as sombras brincavam entre elas, e elas me assustavam quando caiam no precipício, de brincadeira, que susto, e o susto era bom e eu assustava também, e o também, também se repetia, e a repetição era voar no mesmo lugar, brincar na mesma nuvem, e as nuvens subiam e desciam, e descer era subir, subir no mais baixo possível, quando subiam, era descer no mais alto possível, e os que viviam nos mares andavam sobre fogo, e o fogo era bom, bom e frio, e o frio, bem não sei, nunca estive na gelatina, mas não era ruim, segundo sei, e saber era sentir, sentir era mudar de rumo, e o rumo voltava, e eu ia e voltava, quando voltava era outra paisagem, e a paisagem mudava e voltava, e eu ia só para a que mudava, e não era mais, mas não voltava, voltava voando para a frente, e para frente era atrás, e atrás não existia, existia o vento, e o vento era meu, e meu era de ninguém, mas era meu, e eu voava nele, e ele deixava, e eu dominava ele, ele sorria, e sorrir era também chorar, e chorava de alegria, e alegria era tristeza, e a tristeza era boa, porque era boa a gente sofria, e sofrer era ruim, mas o ruim pode ser bom, e o bom pode ser mau, e o mau, não sei nunca fui mau, mas eu voava sobre o mau e o mal, e o mal não existia, como o bem também não, e o não era perfume, e o perfume, bem…o perfume…era eu, e eu era o próximo, e o próximo era todos, e todos brincavam, e brincar era trabalhar, e trabalhar era fazer, e fazer era destruir, e destruir era preto, e preto era verde, e verde não tinha cor, porque a cor era o nada, e o nada era branco e tudo, como esta folha de papel.

EWALDO SCHLEDER nos conta:

No dia 9 de janeiro, numa mesa do Kapelle, Bia nos disse, alto e bom som,
essa frase, um poema-síntese, o último que ouvi dela, depois
de comentar que alguma ginástica lhe faria bem:
Não sou atleta, sou poeta.
NÃO SOU ATLETA,
SOU POETA.
(Bia de Luna)
provalvemente tenha sido este o último poema de Bia, pois ela entregou as moedas para o barqueiro no dia 13 de janeiro de 2008.

ULTRAPASSAGEM (para Bia de Luna/in memorian) poema de walmor marcellino.

 “A janela com sua vista
pra fora é para dentro,
sem uma ida e uma volta
bastando o olhar atento.”
(Ehud Emin)

Inerme, à máscara definitiva
que fulgor agora alimenta?
]Bia, no escuro protegia
essa ânsia que alenta
o sopro, palavra-poesia.

Se estava viva, se ia morta
ela escondia, nos sinalizava
várias vidas atrás da porta
numa só máscara que engendrava.