COLORIDOS no SUBURBIO CURITIBANO poema de tonicato miranda

Este poema é dedicado ao Gerson Maciel e
à sua paixão pelo Boqueirão, bairro de nascimento e vida.
Parafraseando João Cabral de Mello Neto,
Caso houvesse uma guerra entre o Brasil e o Paraná,
Gerson lutaria pelo Paraná.
Mas se ela fosse entre o Paraná e Curitiba
Gerson lutaria por Curitiba.
E se ela fosse ainda entre Curitiba e o Boqueirão,
Gerson não exitaria, lutaria pelo Boqueirão.

  
Orgulha-te dos meninos do Boqueirão
Te cuida menino, com o banho no Rio Belém
Cuidado com as cavas do Iguaçu, amém
E o expresso é vermelho, é vermelho
  
Lá vem rodando na canaleta, o vermelhãoOrgulha-te dos meninos do Boqueirão
Saboreia as goiabas que trazem pra casa, aos bocados
Roubadas dos terrenos vizinhos e dos descuidados
E a fruta é branca, é branca, é vermelha
Por dentro ela é viva, é vermelhão

Orgulha-te dos piás do Boqueirão
Veja o olhar deles para baixo, nas pernas das meninas
Os olhos saltam mais que palavras, as línguas traquinas
E a íris é verde, é verde, é vermelha
Dentro do olho o tesão é forte, é vermelhão

Orgulha-te dos pássaros do Boqueirão
Fugitivos do bodoque, da atiradeira, do estilingue dos meninos
Fuçando de galho em galho, caça gafanhotos pequeninos
E o inseto é marrom, é marrom, é laranja
O sangue dos iletrados é marrão

Orgulha-te dos cultos e incultos do Boqueirão
Glória a Deus nos lodaçais e nas encostas do Uberaba
Machuca o prego na madeira, constrói o brinquedo, por ele baba
Entrega a cor dele à felicidade, e ela é rosa, é rosada
É vermelho o carrinho de mão, ele é vermelhão

Não te orgulha dos gorgulhos das poças d’água do Boqueirão
A chuva engole as madeiras e os lixos nas valetas
O barquinho de papel vai reto na sarjeta, depois em piruetas
Onde não há meio-fio, calçada, e a rua é preta, ela é preta
No fundo é vermelha, a vergonha é um vermelhão

Mas te orgulha dos meninos do Boqueirão
Eles são como eu, como você, pés no chão e no caminho
Camisa para quê basta um solado forte contra o espinho
E o espinho é amarelo, é pontudo, é cicatriz
E o nosso sangue e o deles é e sempre será um vermelhão.

Uma resposta

  1. Que maravilha… mi boqueron. Saudade do tempo que morei nesse bairro. Merece um poema.
    Marilda

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: