ATÉ ONDE A VIOLÊNCIA CONTINUARÁ IMPERANDO, SE PERGUNTADO por josé zokner (juca)

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

 

Constatação I

Não se pode confundir vórtice, que o Aurelião dá, entre outros, como redemoinho com vértice, até porque redemoinho forma círculos concêntricos, tipo espiral, e o vértice, em geometria, é o ponto comum a duas ou mais retas. Elementar, minha gente!

 

Constatação II (Ah, esse nosso vernáculo).

Ele ficou de chifre virado porque seu time perdeu de virada.

 

Constatação III (Quadrinha para ser recitada para quem de direito, a fim de mostrar decepção ou satisfação, dependendo do gosto do freguês).

Fui a um concerto

De música clássica.

O repertório, um enxerto

Daquela era jurássica.

 

Constatação IV

Não se pode confundir confusão com contusão, muito embora numa confusão tenha muita gente que sai com contusão. A recíproca é, por vezes, verdadeira. Mormente no futebol, quando um jogador só dá entrada faltosa nos adversários e há reação de quem sofreu a agressão e/ou dos seus companheiros. Ou nos bailes como naquela música antológica: “Na gafieira segue o baile calmamente…”

 

Constatação V

E não se pode confundir conjectura com conjuntura, até porque toda conjectura favorável que se faça em determinados países, sempre entrarão algumas variáveis – a maior ainda é a corrupção – que afetará a conjuntura. Aliás, a palavra já esteve muito na moda, principalmente numa época em que se utilizava a expressão “Brasil é o país do futuro”, como está implícito na constatação anterior e tudo leva a crer que continuará sendo “per saecula saeculorum”.

 

Constatação VI

Não se pode confundir futura com fartura, até porque a gente tá cansado de ouvir, eternamente, em nosso país, que numa era futura teremos fartura de maneira tal que poderemos dividir um quase abstrato bolo que só é visto e usufruído por muitos poucos e a dita cuja fartura nunca se faz presente, nunca chega. A recíproca é como é e tá acabado. Tenho democraticamente dito!

 

Constatação VII

Rico convoca; pobre, convida

 

Constatação VIII (De uma obviedade).

Flor é feminino! E não poderia ser diferente. Seria possível imaginar “o flor”?

 

Constatação IX

Rico tem imaginação; pobre, é mentiroso.

 

Constatação X (Definição aparentemente repetitiva).

Na Câmara e no Senado de certos países se constata um balaio de gatos*, onde se verifica outro balaio-de-gatos** e gatos corporativos sem balaio-de-gatos.

*Conflito entre muitas pessoas; rolo, confusão.

**Local onde reina a desordem.

 

Constatação XI (Quadrinha para ser recitada para quem estiver disposto a ouvir).

Remei contra a corrente

E quase virei o barco

Quando vi que, num repente,

Estava remando num charco.

 

Constatação XII (Ah, esse nosso vernáculo).

O papudo quando bate-papo sobre a visita do Papa não tem papas na língua.

 

Constatação XIII

E como elucubrava o obcecado: “Não é que a gente queira morrer, mas viver um dia sem sexo indubitavelmente não é viver”.

 

Constatação XIV (De uma dúvida crucial via pseudo-haicai).

A pornografia

É um erotismo

Em demasia?

 

Constatação XV (De outra dúvida crucia, via pseudo-haicai).

Ninguém providencia

Que os médicos

Melhorem a caligrafia?

 

Constatação XVI

E ninguém providencia

Que se legalize de vez

A disfarçada poligamia?

 

Constatação XVII (Outra espécie de dúvida crucial).

Quando após a confissão,

O padre passava um sabão

E incontinente dizia:

“Reze um padre-nosso

E uma ave-maria”,

Você se perguntava

Se questionava

Será que eu posso?

Será que é o que eu queria?

E protelava indefinidamente

A oração,

Tão-somente,

Ainda que pensando,

Matutando,

Ponderando,

Não muito preocupado

Será que essa transferência

Não é pecado

Não é uma insolência?

 

Constatação XVIII (Mais uma dúvida crucial).

Será que algum dia

Haverá a primazia

De que seja abolida,

Na volta e na ida,

A patifaria?

 

Constatação XIX

E será que algum dia,

Com toda essa mordomia

Tu, a conta, te darias

Que, com o salário mínimo

Que é mais do que semínimo

Só dá pra quinquilharias?

 

Constatação XX (Quadrinha de seis [sextinha?] para ser recitada numa roda de chimarrão quando se conta causos e mentiras, principalmente de pescarias).

Tomei um chimarrão

Com erva-mate orgânica.

Ele estava tão bom

Que resolvi me aprofundar

No estudo da botânica

E o resultado a todos divulgar.

 

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: