IMA GIQUÁRIO poema de jasmin druffner

IMA GIQUÁRIO 

“Ímpar.
Meu coração bate,
Sem enfarte.
Bate descolor,
Sem amor.
Apar.  

Suspiro e fecho os olhos.
Assim me refugio,
Assim te vigio.
Nos únicos momentos
Nem um pouco cinzentos,
Por sussurros amamo-nos.  

Você dança uma canção,
A palpites meus,
Que também já são seus.
Música no meu cérebro,
Mas te digo que desconsidere-o,
Era apenas minha imaginação.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: