CANÇÃO DA PRAIA poema de nelson padrella

Abertos os braços da alma, recebo-te em júbilo.

Somos um os dois, amante e noivo.

Ao teu encontro vou como à rocha o mar.

Espuma e véu e sal, azul e ar.

 

Correm cristais de luz por teus cabelos.

Voam em bandos sutis borboletas.

A solidão é assim o mar que bate

e regressa vencido para marrar outra vez.

 

Fecho os braços da alma em torno de mim.

Caem nuvens fechadas sobre o mar escuro.

Somos dois, agora, amante e noivo,

que se separam como o oceano inventa marés.

 

Na amplidão o gozo de saber-te luz,

os prazerosos ontens sepultados.

Cai uma chuva de pétalas de rosas

e eu mergulho no poço de rãs e musgos.

 

Há um prego na memória enferrujando datas.

Tesouros de desejos entre paixes náufragos.

Nada resta agora se é tudo só espaço,

apenas o espaço de uma praia esquecida.

3 Respostas

  1. Lindo!
    Parabéns.

  2. Oi Padrella,

    gostei de:

    “mergulho no poço de rãs e musgos”

    e

    “Há um prego na memória enferrujando datas”

  3. Que belo poema, Padrella! Que lição de lirismo… e que versos bem achados. Neste poema trouxeste a chave das palavras de que nos fala Drumond.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: