ESCOMBROS poema de jorge barbosa filho

derrubo as paredes das palavras

para beber o ar e o sol

e tomar um porre com o tempo

sendo a fala a ginga

o vento olhar de farol

eu trago o sotaque

de todos os lugares

e de lugar nenhum

eu fumo os horizontes

e bato as cinzas

na língua das nuvens.

 

eu chovo, eu relampejo

inundo e fulmino

precipito rumo ao abismo

e meu verso é um risco

não começo, não acabo

desabo acima de tudo e de todos

se no meu verbo eu não caibo

não espero, não paro

meu poema é um grito

veloz de meus  remorsos

e para o nosso assombro

encontrei seus olhos perdidos

nestes escombros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: