Arquivos Diários: 11 maio, 2008

RUMOREJANDO por josé zokner (juca)

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I

Tinha um nariz abismal

Olhar sobrenatural

Vestia-se como no carnaval

Pressão arterial

Elevada, descomunal.

Tratava a todos mal.

Afinal,

Quem era o boçal?

O gerente da sessão de pessoal.

Constatação II

Rico determina; pobre, solicita.

Constatação III

Deu na mídia no dia 6 de dezembro de 2006: “LONDRES – Cerca de 2% dos adultos mais ricos do planeta possuem mais da metade da riqueza mundial, segundo um relatório da ONU divulgado em Londres, que reflete a grande disparidade entre ricos e pobres.

A América do Norte detém 34% da riqueza mundial; a Europa, 30%; a área Ásia-Pacífico rica, 24%; a América Latina e o Caribe, 4%; o resto da Ásia-Pacífico, 3%; a China também 3%; e a África e a Índia, 1% cada um”.

Quanto ao Brasil, relatório do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD) mostra que o nosso país ocupa apenas o 69° lugar no índice de desenvolvimento humano. A Noruega ocupa o 1º lugar. Data vênia, como diriam nossos juristas, mas Rumorejando já chegou a conclusão que a Lei do nefasto Mercado, a globalização nela atrelada e outros que tais cria essa Lei da Selva, a execrável lei do mais forte, e que esses relatórios todos se omitem de acrescentar viva “nóis”.

Constatação IV

Deu na mídia: “BRASÍLIA – O senador Jefferson Péres (PDT-AM) disse que o ministro Marco Aurélio Mello tem razão quando aponta a vantagem dos parlamentares em relação aos vencimentos que ele recebe no Supremo Tribunal Federal (STF)”, se referindo a verba indenizatória de mais R$15 mil que os parlamentares recebem”. Com relação a diferença entre ambos os salários e o salário mínimo não se ouviu nenhuma referência. Pelo menos até agora…

Constatação V

E como se lamentava, queixoso, aquele cidadão: “Esse vagabundo do meu cunhado, além de não trabalhar, vive mordendo a irmã para descolar um trocado. Morando, por instâncias insistentes da minha mulher em casa, ele come como um rei e dorme profundamente a sesta, como a irmã quando tá fazendo amor comigo. Que família!

Constatação VII

Rico admite; pobre, confessa.

Constatação VIII

Não se pode confundir dantes, que quer dizer antes, antigamente, com dentes, muito embora dantes a gente tivesse medo de ir ao dentista para tratar os dentes e agora a gente tem receio. Isso quando não tem pavor, trauma, paúra e outros epítetos, nomenclaturas, cognomes, etc. A recíproca ainda está sendo averiguada a sua existência ou não. Tão logo tenhamos a informação, por sinal de transcendental importância para o futuro da Humanidade, daremos a conhecer aos nossos prezados leitores. Aguardem, pois.

Constatação IX (Passível de mal-entendido, via pseudo-haicai).

O Papa, qual ditador, jamais

Dispôs-se a cingir-se

Aos pontos cardeais.

Constatação X

Rico desfruta a vida; pobre, sobrevive.

Constatação XI (De conselhos úteis).

Cuide para que a tua neurose não coincida com a neurose da tua companheira, pois, como é por demais sabido em matemática e eletricidade, pólos do mesmo sinal se repelem, além do perigo de curto-circuito. Cultive, pois, o uso de outras distintas. De nada!

Constatação XII (Recado gratuito aos jovens).

Livro não morde. Podem pegar pra ler.

Constatação XIII

Quando o obcecado leu: “Mídia francesa pede a Sarkozy para se comportar com a rainha” disse lá com os seus própios botões e fechos eclair: “Esse presidente francês é um obcecado mesmo”.

Constatação XIV

Aviso: Restam poucos dias para outros tantos…

Constatação XV (Quadrinha para ser recitada para o teu chefe de quem está a fim de pedir aumento do salário).

Juntei uns poucos trocados

Para minhas férias desfrutar

Elas se limitaram a dois bem-casados

Que foi tudo que deu pra pagar.

Constatação XVI (Quadrinha para ser recitada para os noivos que vêm te convidar para padrinho de seu – deles – casamento).

Quem tá pra casar

Sem ser afetuoso

É o mesmo que andar

Num caminho sinuoso.

Constatação XVII Quadrinha intitulada “Efeito colateral”, para ser lida pra quem defende intransigentemente a alopatia).

Ela gesticula

Sem nada dizer.

A “ameaça” na bula

Havia acabado de ler.

Constatação XVIII

Reconheci minha firma

Quando escrevi que a amava

Ela respondeu:

“Isso nada confirma.

Não sou tua marionete.

Você já escreveu

Pra outras sete.

E eu sou a oitava”.

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br

 

SINGELA HOMENAGEM À MÃE por jaciara carneiro

Após jantarmos, ela entoa a cantilena comum às visitas que me faz:
– Comprei mamão, laranja e manga. Você tem que comer frutas.
– Não gosto de frutas que lambuzam. A manga eu até como, mas depois de picar todinha e guardar na geladeira. O mamão tem caroço, dá trabalho pra cortar e eu tenho preguiça. Pode levar o mamão com você.

Na manhã seguinte, saio pro trabalho. No começo da tarde, ela pega o ônibus de volta pra casa.

Dia cheio, tarefas canalhas. Saio do escritório, passo na padaria, chego em casa. Abro a geladeira pra guardar algumas compras. E ali vejo um prato cheio de mamão picado, encimado por uma laranja caprichosamente descascada.

Então descubro que até um prato de mamão picado e uma laranja descascada podem ser uma prova de amor materno. E também podem fazer chorar.