Arquivos Diários: 26 maio, 2008

DESANDANÇAS poema de altair de oliveira

Sou desde cedo incompleto

perto de estar descontente

busco no todo e no sempre

tomar um tento do incerto.

 

Esgrimo por entre as gentes

conserto meus desconcertos

e eu tento, de todo jeito,

manter um sonho por perto…

 

Disfarço meus embaraços,

enfrento mil contratempos

Num tempo de pouco tempo

Contemplo o pouco que faço.

 

Mas inda trago esperanças

que a sorte um dia me alcance

onde, apesar de impedâncias,

eu possa dançar…e não dance!

 

Altair de Oliveira – In: O Lento Alento