Arquivos Diários: 2 agosto, 2008

CLETO DE ASSIS comenta SOLIVAN BRUGNARA

COMENTÁRIO:   

 

Cleto de Assis

Em um tempo em que nossos dirigentes políticos temem em definir como terroristas seus amigos terroristas; em um tempo em que os segredos da vida são desvendados com maior velocidade e se ela se torna mais sagrada do que a vida cantada nos templos religiosos; em um tempo em que os idealistas do passado não têm coragem para serem revisionistas de suas próprias histórias e idéias; em um tempo em que é mais fácil aderir aos suaves encantos da ira contestadora, dá gosto ler um poema-recado como o de Solivan Brugnara, que não conheço pessoalmente, aprendi a conhecê-lo nesta senda aberta por J.B.Vidal e, mesmo com pouca leitura, já passei a admirar.

Talvez porque senti que sua visão poética olha para dentro das pessoas e coisas para entender o que nos rodeia. Talvez porque ele parte das pequenas cintilações para depois chegar às estrelas, embora, em seu poema de apresentação, tenha sugerido fazer o caminho inverso. Razão principal: dá para sentir que é um poeta de verdade.

Magnífico o seu poema. Corajoso, sobretudo. Como seria bom se todos os Mustafás-com intestinos-de-dinamite e seus colegas de todo o mundo recebessem seu recado!

veja o tema: AQUI

 

 

CÃOPEÃO DE VOTOS, os politicões que se cuidem! – pela editoria

Com uma pequena diferença para o segundo colocado, apenas 233 votos, Nícolas ganhou o concurso Cachorro do Ano, mas ainda aguarda o que seria seu maior prêmio, um lar verdadeiro

O Cachorro do Ano 2008, da Gazeta do Povo, é a maior prova de que o amor e o cuidado podem transformar um cão arisco, sofrido e maltratado em um animal carinhoso e saudável. Nícolas, que foi resgatado da Praça Rui Barbosa, no centro de Curitiba, em março último, foi o grande vencedor, eleito com 52.262 votos!

Ele ultrapassou os demais colocados nos últimos minutos do prazo final de votação que, aliás, quebrou todos os recordes. Foram mais de 2,06 milhões de votos, sendo mais de 1,48 milhão na primeira fase e 585 mil na segunda. Este volume supera em mais de um milhão a quantidade alcançada na edição passada: 1,07 milhão.

Premiação

A entrega dos prêmios do concurso Cachorro do Ano 2008 será no domingo, dia 17 de agosto, às 16 horas, no Parcão (atrás do Museu Oscar Niemeyer), em Curitiba.

Com uma pequena diferença do segundo colocado, apenas 233 votos, Nícolas é o símbolo da posse responsável e do que a ausência dela pode resultar. Hoje, o cãozinho em nada lembra o animal desnutrido, com problemas de pele e desconfiado de poucos meses atrás, conta a protetora responsável por ele, Sheila Schneider, que faz parte da ONG Probem (Associação de Proteção e Promoção do Bem-Estar Animal).

Ela relata que, em março, foi comunicada que havia um cão abandonado na praça. Por duas vezes, tentou resgatá-lo, “mas ele não nos deixava chegar nem perto”. Ela conta que algumas pessoas, principalmente lojistas da região (que inclusive deram o nome a ele), davam comida mas que, para a maioria, o cão era invisível. “Nos contaram que muitas vezes Nícolas ficava no ponto de ônibus olhando as pessoas, como se estivesse procurando um dono”, diz.

Lar temporário

O resgate também foi uma atração que mobilizou toda a praça. Sheila já havia tentado pegá-lo algumas vezes, mas foi outra protetora, Elaine Petrelli, que conseguiu capturá-lo. “Ele não queria ir. Tentamos até o enforcador, mas ele fugia. Com a ajuda de algumas pessoas, demos um prato de comida e um senhor conseguiu pegá-lo”, conta. Depois, explica, ela o colocou no carro e foi acalmando o bichinho. “Hoje, o ‘Cabeção’ (como ela carinhosamente o chama), está tranqüilo e bem melhor”.

Depois disso e até agora, Nícolas mora em um lar temporário com outros 15 cães. “Só não fiquei com ele porque moro em apartamento e tenho outros três cachorros”, conta Sheila que, vez ou outra, o leva para passear de carro, uma das maiores diversões dele.

Atualmente, Nícolas é um cão so-cializado, castrado, vacinado e que se alimenta de ração. Ele também participa de campanhas de adoção, mas até agora não conseguiu um dono. “A maioria das pessoas prefere filhotes e cães de raça”, conta Sheila. O administrador do centro médico veterinário Vetsan, Adolfo Sassaki, diz que aparentemente Nícolas está saudável e deve ter em torno de 4 anos.

Portanto, a história do cão que conquistou a todos não terminou. Ele ainda está à procura de um lar. Hoje, das 10 às 16 horas, ele estará em uma campanha de adoção no Antiqüário Anjo Barroco (R. Brigadeiro Franco, 2.189).

Publicado em 02/08/2008 | Priscila Bueno, especial para a Gazeta 

 /

Hedeson Alves/Gazeta do Povo