PATRICK – por hamilton alves

– Moço, quer comprar uma toalhinha? – aproximou-se de mim, que saía de um supermercado, um garoto simpático de mais ou menos onze anos.

                                   – Toalhinha?! Peraí, vou ver se encontro uns trocados…

                                   – Tenho que levar alguma coisa de comer para casa…

                                   – Você não tem pai? Não tem mãe?

                                   – Não.

                                   – O que é feito deles?

                                   – Morreram…

                                    – De que?

                                   – O pai era pintor e caiu de um telhado. A mãe de operação de uma hérnia.                     

                                   – Quem cuida de você?

                                   – Minha avó.

                                   – Você tem irmãos?

                                   – Tenho mais cinco; seis comigo. Cinco meninos e uma menina.

                                   – Você é o mais velho?

                                   – Sim.

                                   – Você estuda?

                                   – Sim.

                                   – Onde você mora com sua avó?

                                   – Em Palhoça. Todos os dias vimos para cá para tentar conseguir dinheiro.

                                   – Como é que vêm.

                                   – De ônibus.

                                   – Vocês pagam o ônibus ou vêm de carona?

                                   – Às vezes, o cobrador nos deixa sem pagar, às vezes não.

                                    – E, quando é o caso de pagar, como fazem?                       

                                   – A gente dá um jeito.

                                   – Que jeito?

                                   – Vem-se a pé?

                                   – A pé?! Numa distância dessas?!

                                   – Nossa casa é perto de São José, não é muito longe.

                                   – Se fosse o caso de querer ficar com você ou levá-lo para a minha casa para lhe cuidar, toparia?          

                                   – Tenho minha avó, gosto muito dela, não quero ficar sem minha avó.

                                   – Tudo bem.

                                   – O senhor não vai levar a toalhinha?

                                   – Não, tente vendê-la à outra pessoa. (Já lhe tinha dado uma boa grana).

                                   – Obrigado.

                                   Seu nome é Patrick, um garoto de onze anos aproximadamente, que já conhece tanta adversidade: sem pais, com cinco irmãos, lutando de forma brutal para sobreviver.

                                   Quantos Patrick vivem em condições semelhantes sem que nos demos conta?

                                   Sumiu rapidamente de meus olhos, sem muita esperança de conseguir mais alguns trocados para levar comida para casa. Até aquela altura, disse-me que não tinha comido nada. Era perto de três horas da tarde.

                                   Que destino estará reservado para Patrick e seus cinco irmãos?

                                   

Uma resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: