ENTARDECER poema de otto nul

Ah, tardes lindas

Tardes findas

 

No lusco-fusco

Em que me ofusco

 

No escarcéu

Que mostra o céu

 

Na melancolia

De uma agonia

 

Na derradeira hora

Do dia em que mora

 

A centelha ainda

Viva do sol que brinda

 

O ocaso de cores

E a noite de amores

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: