Arquivos Diários: 6 abril, 2009

WONKA BAR CONVIDA/ curitiba

Wonka Bar convida:

 

 

TERÇA 07 Abril 2009

Blues no Wonka com Décio Caetano

O guitarrista Décio Caetano já dividiu palco com André Christovam, Blues Etílicos e Marcus Rampazzo, entre outros, já está no seu quarto álbum, o elogiado “I Can´t Stop” e tem a presença de palco de um autentico bluesman do delta do Mississipi, como pôde ser comprovado nos diversos festivais de Blues que participou. Acompanhado por Fernando Rivaben na bateria e Edu Mella no baixo, possa agraciar o público com seus solos bem estruturados e envolventes, no autêntico blues de Chicago, e cheio de força nos vocais.http://www.myspace.com/deciocaetano
22h
Entrada R$6

 

QUARTA 08 Abril 2009

Maytê Corrêa & Grupo Batucajé

A melhor roda de samba de Curitiba, o melhor dos clássicos, sambas antigos e novos compositores com Mayte Correa e Grupo Batucajé: Hestevan Prado violão . Julião cavaco . Mauricio Santos percussão . Alex Figueiredo percussão . Andre Luiz percussão . Denis Nunes baixo.
Entrada R$8

 

QUINTA 09 Abril 2009

“Wonka Jazz Project” com Marco Lobo
A melhor jam session de Curitiba recebeo percussionista Marco Lobo http://www.myspace.com/marcolobopercussion, O baiano já tocou com Marisa Monte, Elba Ramalho, Maria Bethânia, Titãs, Gil, e ultimamente Milton Nascimento e Caetano Veloso. É lendario pela exploração de objetos inesperados, novos sons e ritmos, além da percussão tradicional, buscando sonoridades exóticas, vibrantes, nunca antes ouvidas. Participou da turne mundial de Billy Cobham, nos brinda com sua presença na nossa jam com Helinho Brandão saxofone . Fernando Rivabem bateria . JBoldrini baixo acustico . Jeff Sabbag piano.
Entrada R$8

 

 

SEXTA 10 Abril 2009 

Festa de Garagem Especial com Polexia

Melodias bem construidas, arranjos bem cuidados e detalhados, reconhecimento em premiações nacionais e vídeo-clip polêmico, o Poléxia é umad das bandas curitibanas de maior destaque e com um dos melhores shows da cidade. Imperdívelhttp://www.myspace.com/thepolexia.

Depois a festa continua com o DJ MM.

22h

Entrada R$6 até 0h, após R$10

 

SABADO 11 abril 2009

Rock2Rock

Os DJs residentes Claudinha e Bernardo convidam você para se acabar com o melhor do indie e do alternativo, rock desde a raíz até as novas bandas. Sábado é no Wonka.

22h

Entrada Homem R$3 Mulher FREE até 0h, após R$10

 

Wonka Bar : Trajano Reis, 326
fones 3026 6272 : 9142 0810

COMO MELHORAR O ENSINO DO PORTUGUÊS – por vicente martins

No presente artigo, oferecemos uma proposta de quatro oficinas ou encontros pedagógicos para a melhoria do Ensino do Português na Escola, especialmente o Ensino Fundamental. Tomaremos como paradigma para ação pedagógica a contribuição da Lingüística, Psicolingüística e Psicologia Cognitiva. As sugestões a seguir podem ser aplicadas ao próprio ambiente de trabalho, isto é, na escola e em serviço, reunindo professores-formadores e professores em formação contínua ou continuada.

O primeiro passo dos docentes é considerar a proposta pedagógica da escola para o ensino Fundamental. Assim, pertinente é a realização de uma Oficina de Leitura, Análise e Reestruturação da Grade Curricular da Disciplina Língua Portuguesa no Ensino Fundamental. A oficina  pode ser denominada Como Desenvolver a Capacidade de Ensinar a Língua Portuguesa.

Caberá ao formador dos docentes tomar como parâmetro de estudo as diretrizes estabelecidas pelo MEC/CNE para o Ensino Fundamental, através de documentos específicos (PCN, Resolução, Portaria, por exemplo) sobre o assunto, reestruturando o currículo do Ensino Fundamental, para a discussão com os professores, em três dimensões: a) competências: comunicativa, lingüística e lectoescritora; b) Conteúdos: Fonologia, Ortografia, Morfologia e Sintaxe, com detalhes de assuntos ou tópicos de cada setor de estudo e c) Habilidades Cognitivas e Instrumentais a serem alcançadas no final de cada série. 

A partir das discussões com os professores, os formadores, em geral, observarão que muitos pontos do currículo ainda não são devidamente trabalhados pelos docentes, prática que nos sugere uma formação deficitária dos mesmos.

Os erros ortográficos, por exemplo, ainda são trabalhados, em sala de aula,  de forma tradicional, com punições e atitudes não pedagógicas, não levando o professor, em conta, a contribuição da Lingüística, Psicolingüística e Psicopedagogia na abordagem do ensino-aprendizagem da ortografia. Compreender mais sobre a memória, como as crianças memorizam as formas lingüísticas, é fundamental para um ensino eficaz em sala de aula.

Uma segunda oficina que proponho aqui pode ser denominada Como Desenvolver a Capacidade de Escrever Corretamente. Inicialmente, deve o professor-formador apresentar aos professores os principais teóricos sobre o ensino de Ortografia.

O professor-formador pode começar por oferecer aos docentes em formação, para um tratamento didático sobre a matéria, uma série de exercícios para que os mesmos, a partir das alterações ortográficas, verificadas nos textos escritos dos alunos, possam reverter a situação de disortografia e promover o domínio da língua  na sua variação culta.

Em geral, essa oficina ou encontro vai assinalar a necessidade de uma formação específica dos docentes para o trabalho com a ortografia a partir da produção textual, especialmente tomando a revisão como parte do processo da construção do texto.

Minha terceira idéia é a oficina foi denominada  Como Desenvolver a Capacidade de analisar e refletir sobre a Língua(Gramática). Nas discussões com os professores, percebemos que os mesmos têm a crença de que o domínio da língua culta passa pelo conhecimento gramatical e lingüístico. 

O enfoque do formador deve ser o  de que é responsabilidade da escola o ensino da gramática, o que não significa restrição ao ensino de normas gramaticais, mas uma atitude de mostrar aos alunos que a língua culta, especialmente a gramática normativa, referencia, em nossa sociedade letrada, uma classe social emergente e que é papel da escola pública, municipal ou estadual, oferecer aos educandos competências para aquisição e desenvolvimento da comunicação requerida para uma cidadania ativa.    De modo geral, os professores têm uma forte inclinação ao ensino normativo da língua portuguesa, especialmente as normas extraídas de textos referenciados pela literatura clássica, o que os levará, decerto, a orientá-los à tomada de decisão na escolha de novos paradigmas normativos de uso da língua previstos nos jornais e as revistas de grande circulação nacional e na mídia eletrônica, em especial, a Internet.

 

Por fim, a quarta e última oficina pode ser denominada Como Desenvolver a Capacidade de Leitura e de Produção de Textos(Leitura e Escrita). Esta Oficina mostrará, desde logo, a importância da compreensão leitora, isto é, a compreensão do texto lido, como uma das habilidades mais significativas no processo de formação escolar dos estudantes do Ensino Fundamental.

No tocante ao texto escrito, ao professor-formados caberá a oferta de uma metodologia processual, com base na abordagem cognitiva (Psicolingüística) para que os professores, em formação (e preferencialmente em serviço) trabalhem a produção textual em diferentes fases (planejamento, produção, seleção e organização de idéias, revisão, releitura do texto e edição final), de modo a não se limitar a avaliação do texto para verificação de aprendizagem (atribuição de nota), mas procurando dar um novo destino ou audiência aos mesmos: por exemplo, publicação dos textos dos alunos em jornais locais e na Internet.

 

 

 Vicente Martins é professor da Universidade Estadual Vale do Acaraú(UVA), de Sobral, Estado do Ceará. 

OS SUPER-BÁRBAROS bárbara kirchner e paulo leminski neto

barbara-kirchner-foto-super-barbaros211

bárbara kirchner e paulo leminski neto . foto de gilson camargo.

 

o amor tem garras e surpresas…

um panoptizar cercado de sutilezas

acariciam… delineiam…

secando prantos … mar de risos e espantos

serpenteiam… acalantam…

tal como se das mãos brotassem flores

talvez lírios do campo

O BEIJO poema de otto nul

Foi um beijo,

Um único, ardente,

Dado de repente

Sem que esperasses;

 

Ficaste no ar

Coberta de espanto

Como tivesse o beijo

Um certo encanto;

 

O beijo ficou na história

E também na memória,

Um beijo sem igual,

 

Que marcou um instante,

Sobreviverá aos tempos

Definitivamente imortal.

 

A FRAUDE DA EDUCAÇÃO por walmor marcellino

DÉFCIT EDUCACIONAL

 

Enquanto a prefeitura de Curitiba e o governo do Estado apostam políticas eleitorais sobre a eficácia de seu sistema de ensino e a eficiência de sua preparação pedagógica, a tragédia da educação continua à vista. Anísio Teixeira e Paulo Freire ficariam horrorizados com as pedagogias usadas em seu nome.

Em primeiro lugar, agrupamentos de 10 até o máximo de 30 crianças e adolescentes é o recomendado para uma sala de aula, para que o processo de ensino seja eficiente, supondo que o(a) professor(a) seja efetivamente habilitado(a) (e comprometido(a)) com sua escolha e adesão profissionais. E isso seria apenas o começo de uma solução educacional. (Nas escolas particulares e nas classes ricas, o critério seria nada menos do que o preço.)

Todavia, nem as políticas públicas nem os sistemas de ensino e formação (educação) conseguem equacionar esse número “funcional” de estudantes numa sala de aula; porém assim mesmo reconhecem que o coletivo de alunos numa sala deve ser proporcional a suas condições culturais, psicológicas e de capacidade de atenção-concentração (vale dizer, quanto mais pobre e “desassistido” ou sem recursos culturais e estabilidade emocional, maior atenção e menor deve ser o grupo discente para obter mais atenção pedagógica. E isso nega essa massificação de que “há escolas para todos”!). Mas eles não “conseguem equacionar” essa questão elementar, porque preferem a propaganda de que a UNESCO lhes reconhece o esforço (não a solução, mesmo porque as políticas da UNESCO são políticas de “boa-vontade” e estímulos).

Assim, secretários e assessores comissionados no geral não passam de pelegos oportunistas que, a serviço das autoridades que os nomearam, mentem para a população sobre a educação que lhe é oferecida e fingem preocupação com o sistema educacional, com as condições técnicas de ensino e com a preparação e eficiência dos professores e da sua burocracia política, pretendendo assim justificar essa sua formidável propaganda enganosa.

 

O CANTAR DO XEXÉU poema de tonicato miranda

nem todo poeta é triste

nem todo palhaço é palhaço

nem toda a música é canção

toda mulher merece um não

milhares de sim, algumas o véu

 

não está em todas tardes a luz

assim como não são

brancas as nuvens sobre mim

hoje a ameaça de chuva está

agarrada no cinza no céu

 

no rádio toca “Você”

de Menescal e Boscoli

no meu peito toca um Rio

onde já fui menos saudade

pois era simples pardal ao léu

 

Curitiba dos anos 80

era Cardoso e sua “troupe

nós por ali como andorinhas ligeiras

de bar em bar, de rua em rua

quase prostitutas de bordel

 

ninguém sente saudades

do que nunca sentiu

mas queria sentir tristeza

de um futuro que não gestei

o coração como cavalos em tropel

 

sentir saudade de mim e de você

o meu corpo dolorido de ausências

dos amigos e dos perigos dos amores

tudo e todos que podem me colocar

como condenado no banco dos réus

 

nem todo poeta é triste

mas palhaço pode ser um dia

quando a tristeza molhar a boca

adoçando a palavra, brotando o gesto

beijando a abelha antes dela moldar o mel

 

nem todo pio na mata

e nos baldios da cidade aberta

vem do bem te vi ou da gralha preta

às vezes vem da andorinha

outras de um simples xexéu

MEDIÇÃO FAMIGERADA poema de leonardo meimes

Cabe em cada limbo

Uma população inteira…

É isso que se espera

 

Cabe em cada estádio

Uma porção de hipócritas?

Não, não cabe.

Não cabe nem o ego

Do maior dos famosos

 

Encheria um copo

 A verdade no mundo?

Ela existe?

 

O mesmo copo

Encher-se-ia de amor?

Sem rancor, ciúmes, traição.

De amor puro e simples?

 

Se retirássemos o amor pelo material

Acabaríamos por esvaziar o copo?

 

Caberia em um punho

 Toda a coragem de um homem?

Talvez a de um suicida o preenchesse

Mas só a de se matar

A de viver seria insuficiente.

 

Cabe ao ser humano

Comandar este mundo?

 

Cabe a nós criar nossas leis?

Ou julgar nossas mazelas

De acordo com elas?

 

Cabe a Deus

Punir-nos em vida?

 

Fé! Quanto de Fé encheria

 Aquele mesmo copo de antes?

Quanto de Fé existe no ser humano

Quando não se trata de religião,

Mas do próprio ser humano?

 

Cabe na vida

Uma existência

Completa?