VINHO BARATO, MULHER FEIA E ROCK PAULEIRA

caderno-g-foto-untitled

cavalo. largo da ordem. curitiba.

 

Funcionava assim. Você encontrava os amigos na rua durante as tardes de sábado para combinar como seria a noitada, mesmo que o local fosse sempre o mesmo. Com todo vigor que seus 13, 14 ou 15 anos lhe injetavam nas veias seguia o caminho a pé. Subia a 24 de Maio para passar na 24 Horas, a rua que não dormia. O bando contava as moedas, normalmente roubadas do troco do pão, para rachar garrafões de Large Field. Alguns tinham que salvar ainda o passe do madrugueiro.

Na época os comerciantes não se importavam se era prudente autorizar que três adolescentes, na média, dessem uma beiçada em cinco litros de vinho. Não havia copos. Controlar a dose certa do gole num garrafão era necessário treino, que estava sendo religiosamente cumprido há pelo menos um ano. Do contrário, entrava até pelas narinas.

Éramos 1,3 milhão, só que sem crack. O máximo de violência era voltar para casa sem os sapatos. A meia jogava-se fora para não passar ridículo. As gangues normalmente tinham o nome da praça usada para confabular o melhor ataque aos inimigos, os meninos das outras praças. Em algumas regiões, como o Água Verde, até padaria podia dar origem ao nome de um “temido grupo”. Assistiu “The Warriors – Os Selvagens da Noite”? Era mais ou menos assim, só que sem revólveres, facas, bastões de beisebol e metrô.

As ruas escolhidas para chegar até o Largo da Ordem eram as que tivessem relação com o meretrício. Não para consumir. Mas a paisagem era mais bonita e sempre rendia uma boa história no dia seguinte. Talvez ainda não fosse politicamente incorreto esvaziar a bexiga numa árvore. E sempre dava vontade na altura da Muricy. O problema era achar árvores ali. Então…

Na chegada os dentes já estavam roxos. Encontrava os outros, com camisetas do Pantera, Sepultura e… Slayer!!! As meninas se fantasiavam de Mortícia. Roupa comprada no Shopping Omar. Era óbvio que ninguém que estava ali iria para o El Mago, coisa de playboy. Só existia um lugar que poderia abrigar tanta gente diferentemente igual: Hangar.

Primeiro problema: não podia entrar com bebida. Garrafão vazio no lixo então. A vantagem é que já se entrava com a mira calibrada. Digamos que o local não era reconhecido pelas lindas mulheres que lá aportavam. Só que era preciso se manter em pé. Caso caísse uma saraivada de botinadas lhe acertava até o âmago. Pura diversão.

Uma coisa não tinha explicação: você simplesmente não podia se encostar nas paredes. E não era tinta fresca. A teoria mais aceita é que a combinação engolir vinho rapidamente, mulher feia mais pontapés no estômago causavam um vômito imediato e forte que o golfo acertava as paredes antes de encontrar o solo. Uma noite perfeita naqueles tempos.

Hoje é difícil você encontrar um curitibano legal que não tenha passado bons fins de semana no Hangar no começo dos anos 90. Que não tenha escutado Gipsy Dream e dezenas de outras bandas cover de “rock pauleira”.

Pois bem, o bar chegou à maioridade. Completou 18 anos e ficou registrado na memória de muitos. A dúvida que fica é se hoje ainda há espaço para esse tipo de experiência inocente inconsequentemente divertida. Que não começa e termina dentro da balada. Não se vê mais pessoas passeando a pé na madrugada. Os motivos são óbvios. Temos violência, Lei Seca, mulheres mais bonitas (as feinhas têm muito mais recursos hoje, vai) e internet. Ou seria apenas o que chamamos de nostalgia?

 

caderno G. GP

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: