TRANÇAGEM – poema de jairo pereira

 

 

 

No cesto trançado

da fala

o ímpeto do fazer

construir

a poesia trançada

com as mãos

adornada com as  cores

da mata extinta

pintada à argila fresca

da beira do rio.

A poesia, cesto

de sentenças úrbicas

suspensa

nas árvores do pensar

pensado

o pensamento trançado

de fio a fio, nó em nó

no tempo

cesto trançado das idéias idas

revividas idéias vindas

das altas fontes do saber

redescobrir

de instintos produtivos.

Pés nus no chão de espinhos palavra

sobre palavra, signos entre

signos

tranço o cesto de meu viver, palavra

fagulhas do fogo aceso

do criar

transpasso a trança do terçado.

No cesto trançado do meu dizer

cabem todos os mundos

da palavra

a santa que satisfaz, a pura,

a odiosa a renomada, a bem aventurada, a que engana

o artífice na poesia.

Palavras, vozes que soam

no cesto trançado da fala

dentro dos ossos

antigos dos conceitos

:primitivas aparições:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: