Arquivos Diários: 12 abril, 2009

FACULDADE VIROU SHOPPING CENTER por amandio luís de almeida teixeira

Quando paro a pensar sobre a educação superior desse país, vejo-a como um doente terminal, abandonado sobre uma maca em um corredor de hospital. Foram-se os tempos em que possuir uma pós-graduação, um mestrado, ser um doutor ou um professor catedrático era visto com respeito e como sinônimos de competência, experiência e capacidade de um trabalhador de qualidade, um cientista.

As políticas educacionais, a meu ver, se equivocaram. Todas, independentemente de governos e partidos, quando resolveram – e nisso todos os governos pós-ditadura incorreram – democratizar, massificar, ou “igualar” (por baixo) as oportunidades de acesso ao terceiro grau. O resultado dessa visão clientelista, num país que parece confundir democracia com populismo, pode ser muito bem sintetizado no que observamos no atual governo. Ao mesmo tempo em que o presidente alardeia sua vaidade e seu orgulho por não ter um diploma, perpetua e agrava a situação, ao querer sedimentar ainda mais a idéia de que todo mundo pode e deve ter um diploma universitário.

Já não bastasse a proliferação descontrolada de universidades de “fundo de quintal”, onde o que vale é poder pagar para seu diploma conseguir. Hoje uma universidade assemelha-se muito mais a um shopping center do que a uma instituição de ensino de qualidade, frequentadas por professores e alunos despreparados. Ao invés de salas de aulas bem montadas, laboratórios, bibliotecas, o que se vê? Lojas, bancos, restaurantes e lazer, parte fundamental dessa estrutura deformada. Parece que em cada esquina há uma universidade. Que o tal ensino à distância, eliminou de vez a distância entre a mediocridade e a aptidão natural de cada indivíduo para conquistar uma profissão de nível superior. Para que tanto diploma? Para que tantos licenciados, bacharéis e pós-graduados?

Acredito que chamar esse ensino de superior já é um equívoco. Superior só se for pela quantidade de médicos, engenheiros, advogados, entre tantos outros profissionais, que são despejados, a cada ano, de forma descontrolada, num mercado de trabalho já saturado. Profissionais para os quais o diploma é apenas a ferramenta necessária e legitimadora de seu direito como cidadão a se tornar um profissional de segunda, numa terra de terceira. Médicos que não sabem suturar, advogados do crime, engenheiros da demolição do saber.

Ou pior, concurseiros (públicos) profissionais. Não o pobre como alardeia o governo, mas aqueles mais afortunados, inocentes ou não, que sustentam essa famigerada indústria dos concursos. Indústria essa que movimenta milhões e milhões de reais, feita de cursinhos especializados, empresas promotoras especializadas (em concursos), o próprio governo que tem aí uma renda vultosa em taxas de inscrição, os cartórios que enriquecem ao autenticar tanta papelada desnecessária.

 

Hoje tudo é especializado. Os professores mal pagos e já engolidos por essa máquina. Esses que já não ensinam, mas que se especializam em treinar em macetes para passar. Esses que usam apostilas “obrigatórias” sem conteúdo, que custam uma fortuna, mas nada mais são do que receitas de bolo, dicas e truques, provas anteriores, cujo lema é “Aprendam como passar”. Parece-me mais especializadas no “seja esperto!”. Não precisa saber, é só se “preparar”! Preparar para que? Ao final disso tudo o que são esses concursos? E os famosos cadastros de reserva? Quantos são cancelados, postergados por anos, e ao final, sem ninguém contratar, voltam a se apresentar ao público? De quem é a culpa? Perguntem ao nosso sábio presidente…

Pobres tempos esses em que o saber já não importa. Em que a ciência é achincalhada, as cabeças pensantes decepadas. Poucos, muito poucos, sobreviveram a esse tsunami de diplomas fajutos, muitos comprados, outros tantos falsificados, milhares obtidos pela compra criminosa de monografias, dissertações e teses. Poucos, muito poucos, de forma árdua ao estudar, ao se dedicar, anos e anos de suas vidas “desperdiçar”, crédulos cidadãos que em algum momento acharam que isso lhes daria alguma real e honesta chance de no mercado de trabalho se encaixar.

Uns, mais inteligentes, ou mais lúcidos, vão embora. Fazer carreira, fama e dinheiro honesto nos países dos lourinhos de olhos azuis e viram celebridades, por mérito reconhecido é certo, mas ridiculamente aplaudido aqui, pelos mesmos que se indignam quando alguém ousa pensar. Outros decidem ficar. Por menos oportunidade, familiar necessidade ou que, por convicção, acham que é onde devem estar e lutar.

Essa é a minoria de sonhadores onde me incluo. Minoria de esperança persistente, de valor nunca reconhecido que tanto assusta e incomoda a esse país lulista, de reais valores, desprovido. Somos nós esses “velhos” com mais de 45 anos a elite pensante? A burguesia dominante? Ou a absoluta minoria que teima em sobreviver, mesmo que de forma tão humilhante? Só posso falar por mim.

Esta é minha ficha criminal:

Engenheiro, pós-graduado, mestrado, doutorado, pós-doutorado.

Professor universitário (enquanto agüentei).

Última ocupação: diretor de projeto – BID/Nasa.

Ocupação atual: desempregado, há três anos em casa.

 

CARTAS por hamilton alves


 

 

                                               Lendo há dias uma resenha de jornal sobre Samuel Beckett, o grande dramaturgo, autor de peças revolucionárias do teatro mundial, prêmio Nobel de literatura, vim a saber que era dado a escrever cartas, anunciando-se que um volume delas será editado e lançado em breve por conceituada editora brasileira.

                                               A carta é um gênero literário como outro qualquer, com a particularidade de ser, entre todos, muito peculiar, no sentido de que, diferente de fazê-lo no livro, quando nunca faz, o escritor pode se derramar em confissões que jamais faria de público.

                                               Quem gostava muito de escrever cartas era Elizabeth Bishop, que dizia: “Tenho pena de quem não gosta de escrever cartas”.

                                               Outros escritores brasileiros trocaram cartas inúmeras, não foram nem duas nem três. Cito os casos de Drummond e Mário de Andrade, que pela vida afora se trocaram recados compridos ou curtos, para alegria de muitos de seus admiradores espalhados por aí, que puderam descobrir na troca de missivas feita por ambos as confidências íntimas sobre tantos assuntos, que jamais revelariam em crônica, contos, poemas, etc.

                                               Eu mesmo gosto de escrevê-las.

                                               Quando não tenho para quem escrever escrevo para mim mesmo. Tenho algumas cartas que me dirigi, nesse solilóquio com que acabo me divertindo ao lê-las ou relê-las. Maluquice? Adoro as minhas maluquices, sem elas não saberia viver. Ou minha vida, aos meus olhos, se empobreceria.

                                               Ainda hoje escrevi duas cartas. Uma para um amigo que anda nervoso nos Estados Unidos com a crise que assola aquele país. Procurei animá-lo.
                                               “ – Obama dará um jeito em tudo” – disse-lhe, confiante no tirocínio e liderança do novo Presidente.       

                                               Outra para um amigo no Rio, que pouco temos nos visto ultimamente, eu por nunca mais ter ido lá, ele que esteve aqui há pouco, mas de curta passagem. A carta é a forma de nos aproximar porque, obviamente, os recados telegráficos do computador não alimentam nossa sede de maiores expansões verbais e emocionais.

                                               Fiz-lhe uma revelação que só poderia ser feita através do sigilo ou da discrição da carta. Não contaria jamais o episódio numa crônica ou de outro modo qualquer. Para ele mesmo, um velho chapa, me custou muito confessá-la ou narrá-la. Será certamente pegado de surpresa com a minha confidência, tal a crueza com que narrei o fato. Ou rirá muito à vista dos lances tais quais lhe foram confiados.

                                               Daí a importância da carta, que é uma forma de extravasar tudo, todo o lixo que nos vai n’alma (n’alma tem hora).

                                               De que outro jeito lhe confidenciar pormenores tão crus ou tão arrepiantes? Que constituem segredos que não podem ser assim espalhados ao vento?

                                               Assim, temos o recurso da carta. Com três pinceladas compõe-se uma carta. Nada mais que trinta linhas ou cinqüenta. Nem menos nem mais, senão a carta fica quilométrica e, a partir de certo momento, por mais interessante, começa a aborrecer o mais paciente leitor.   

                                               Já escrevi tantas cartas (tenho-o feito com freqüência nesses últimos tempos) que não é de duvidar que, se um dia alcançar algum nome como escritor, haverá algum abelhudo que queira publicá-las. E tem desde já meu veto. A carta é algo rigorosamente confidencial.

 

 

( março/09)

PERSONAGENS E HERÓIS por walmor marcellino

 

A morte de Márcio Moreira Alves volta a pôr em discussão a pouca importância de algumas participações políticas na contestação ao “discricionarismo” da ditadura militar, cujo golpe contra as instituições nacional-democráticas foi por ele aplaudido (como o foi pelo “Correio da Manhã”). As atas políticas e as crônicas dos fatos e do próprio deputado-cassado mostram o que realmente aconteceu.

Um herói tem uma causa que o edifica; ela ressalta suas virtudes e ele a engrandece aos olhos de todos. O herói tem uma origem que o ilumina, uma missão que lhe exige sacrifícios e uma dedicação que o eleva acima dos contemporâneos.

A causa da democracia formal não produz heróis. Hoje e nestes tempos não mais. O golpe militar de 1964 ‑ para impor uma ditadura burocrático-militar de classe e um sistema capitalista-monopolista de Estado ‑ mostrou alguns poucos heróis (da causa revolucionária das classes sociais subalternas) que vêm sendo misturados e confundidos com os “resistentes democráticos” e as tantas vítimas da ditadura militar.

Essa má-intenção ideológico-política não pode ser minimizada nesse esforço de “equalização sem princípios”, pois seu intento é glorificar ambigüidades políticas mais do que elogiar pequenas ações desorientadas.

Esse oportunismo político que aproveita a vitimologia para gratificar-se não deve prevalecer. É uma ofensa àqueles que, martirizados, conseqüentes em seu projeto político de classe, deixaram ações exemplares para essa interrupta revolucionarização política do país.

 

O MENINO MUTILADO poema de joanyr de oliveira

Bagdá, seis de abril, domingo.
No subúrbio de Diala,
um menino chamado Ali Abbas
perdeu as mãos e o sonho.
O coração do mundo contraiu-se
ferido pela imagem enfática.

Seus pais se desintegraram
nas profundezas do sono.
Com que sonhariam no instante
em que o míssil desvairado
saltou sobre as velhas telhas
e o assombro total das paredes? 

Os pais de Ali Abbas talvez
no seu amplo tapete onírico
navegassem o branco da paz.
O sonho, ingênuo e sem olhos,
não situa as portas detonadas.

O míssil de nome Tomahawk
bradou “não” e “não”, e categórico
fez da casa sombras e ruínas.
Devorou falanges, falangetas,
os braços, o amanhã e o sorriso
do guri sonhador Ali Abbas.

Comovido indagou Ali Abbas:
“Quem sabe poderias trazer-me
meus dois braços de volta?”

As lágrimas envoltas no silêncio
afagaram as palavras do menino
e odiaram o míssil e seu ofício
de antropófago no céu de Bagdá.

 

QUEM PRECISA DE IDEOLOGIA PARA VIVER? por alceu sperança


 

Em 2030, nano-sensores serão injetados na corrente sanguínea de uma pessoa, implantando microchips para amplificar e até suplantar diversas funções cerebrais. Com isso, as pessoas vão compartilhar memórias e experiências íntimas emitindo as sensações como ondas de rádio para os sensores de outra pessoa.

É uma descrição tecnologizada da telepatia, feita por Raymond Kurzweil, um sujeito que muito guri gostaria de ser: músico, cientista, inventor, empresário, escritor.

Sabe fazer arte, inventar e ganhar dinheiro. E também assustar a gente. Não é terrível a idéia de que você poderá ter um nano-sensor implantado em seu sangue enquanto estiver dormindo ou tomando uma injeção? Com o microchip instalado, você receberá sinais externos que poderão controlar sua mente.

Isso pode parecer assustador, Mr. Kurzweil, mas alguém já pensou nisso antes. O “chip” atual só demora um pouco mais para ser implantado, pois começa a entrar no sangue e no espírito desde o nascimento e acompanha o sujeito ao longo de sua existência. Chama-se ideologia.

Por vezes as pessoas estranham o emprego da expressão “a ideologia”, pois acreditam haver mais de uma e que a palavra significa “um conjunto de ideias”.

Nosso querido Cazuza embolou ainda mais o meio de campo ao cantar que precisava de uma ideologia “pra viver”. Mas ideologia, a meu ver, é palavra de uso apenas singular. A confusão que ocorre com esse termo é similar à que cerca a palavra “alternativa”.

Não existem “alternativas”, mas apenas “a alternativa”. Claro que também se usa o plural em casos particulares: “As alternativas ao liberalismo e ao colonialismo”, por exemplo, pois são duas coisas.

Ideologia é um conjunto de controles educacionais, culturais, religiosos, comportamentais, éticos, legais etc impostos pela classe dominante. A palavra foi criada em 1801 por Destutt de Tracy (1754–1836).

Napoleão, num discurso ao Conselho de Estado, em 1812, declarou:

“Todas as desgraças que afligem nossa bela França devem ser atribuídas à ideologia, essa tenebrosa metafísica que, buscando com sutilezas as causas primeiras, quer fundar sobre suas bases a legislação dos povos, em vez de adaptar as leis ao conhecimento do coração humano e às lições da história”.

Foi Auguste Comte (1798–1857) quem levou a palavra ideologia a significar especificamente o conjunto de idéias de uma época. Mais ou menos aquilo que se costuma chamar de “senso comum” e “opinião pública” – a somatória da elaboração teórica dos pensadores dessa época.

Para Marx, a ideologia integra a superestrutura dominante: “(…) teremos que examinar a história dos homens, pois quase toda ideologia se reduz ou a uma concepção distorcida desta história ou a uma abstração completa dela”.

Ideologia seria, assim, o total dos conhecimentos científicos e crenças dominantes. Gramsci via na ideologia elementos unilaterais e fanáticos, mas também elementos de conhecimento rigoroso e até mesmo de ciência. Nesse sentido, a ideologia seria “todo o conjunto das supra-estruturas”.

Conclui-se que a ideologia é produzida pelos sábios, que recolhem as opiniões correntes, organizam e sistematizam tais opiniões e, sobretudo, as corrigem e orientam de acordo com os interesses prevalecentes nessa época. Assim, ela passa a ter um papel de comando sobre a consciência dos homens, que devem se submeter voluntariamente ou à força a seus critérios e mandamentos.

É por isso que a gente “pensa” que tem esta ou aquela opinião sobre algo e só quando a submete a uma análise criteriosa e autocrítica percebe que ela foi imposta em nossa pobre cabeça pela ideologia.

Sem precisar dos chips e nano-sensores do nosso prezado Mr. Kurzweil.

RUMOREJANDO (Feliz Pessach e Feliz Páscoa a todos desejando) / por juca (josé zokner).(12.04.09)

PEQUENAS CONSTATAÇÕES, NA FALTA DE MAIORES.

Constatação I (Uma historieta).

Tão logo se formou em Direito, o jovem abriu um escritório na sua pacata cidade natal. Criou um slogan, usando o que lhe foi aconselhado por entendidos no assunto que era o seguinte: O Defensor das Causas Justas. Como gostava de se vestir com terno e gravata como é de praxe o uso de tal indumentária pelos advogados, usando as calças dos ternos bem justas, como era moda na cidade onde estudou e se formou, o povo logo passou a chamá-lo do Defensor das Causas Justas e das Calças Justas. Nos dois primeiros casos que interveio não foi feliz e o pessoal, maldosamente, sem que ele soubesse, passou a cognominá-lo de Defensor das Causas Perdidas. Era um sujeito com boa estampa e não faltou que as mulheres passassem a olhá-lo com interesse, tanto como bom partido para casamento – um doutor! – como um amante. Certa vez, estando na cama com uma senhora casada, eis que o marido aponta com o seu carro, mais cedo do que de costume, no portão para entrar com o carro na garagem que ficava nos fundos. “Vou me esconder no guarda-roupa”, ele disse todo aflito. “Não. Tá muito batido esse esquema. Pule a janela do quarto e saia pelo portão pra rua, pois ele costuma entrar pela cozinha, enquanto eu escondo tuas roupas”. E assim ele fez. Não faltou quem o visse sem as calças se esgueirando pela rua para chegar num terreno baldio com o mato cerrado para esperar que a cidade adormecesse para chegar a sua casa. Aí, sucedeu uma nova mudança no slogan-apodo: Defensor das Causas Perdidas e das Calças Perdidas. Coitado!

Constatação II

Postura

Com os políticos?

Sejamos analíticos:

Merecem compostura.

O que a mídia mostra

De falcatrua

É só uma pequena amostra.

As demais, caro leitor,

Conclua:

Quase ninguém

Se abstém.

É um pavor,

Um horror.

Constatação III

Olhar no espelho eu evito.

O meu grau de intolerância

Está beirando o infinito.

Constatação IV

Plantava flores no seu jardim para ver borboletas, abelhas e besouros volutearem em torno delas. Queria aprender a voar. Real e efetivamente. Nada a ver com os seus sonhos…

Constatação V

“Você é uma mulher

Ou uma ratazana”,

Disse a mãe pra filha

“Dê um chega pra cá

E não para lá

Naquele banana.

Pois é o que ele quer.

Com isso você não se humilha.

Bote uma roupa bem decotada

Que ele virá

Que nem louco pra essa empreitada”.

Constatação VI

Eu fiquei mudo

Quando, de despedida,

A fingida

Me deu um abraço

E disse: “Como na canção,

Eu descrente de tudo

Só me resta o cansaço.

Quer saber,

Não sou seu palhaço.

Vá lamber

Sabão”.

Constatação VII

Esse que você chama,

Que você proclama

De seu preclaro amigo,

Que é cioso

Com seu próprio umbigo,

É um mafioso,

Um mentiroso

Que eu sempre desdigo.

Constatação VIII

Na Câmara, aquele deputado era duplamente comissionado: Fazia parte de uma comissão e eventualmente ganhava a dita cuja por batalhar e conseguir a aprovação de algum negócio para os parentes e amigos.

Constatação IX

Não se pode confundir característica com casuística, muito embora em certos países a característica do seu povo não seja uma questão casuística. É falta de ética, moral e outras “cositas” desse jaez.

Constatação X (De conselhos úteis).

Não queira transferir para outrem as tuas verdades só porque você as considera incontestes. Elas podem ter se revelado, no passado, deslavadas mentiras. Analogamente, no presente e no futuro. De nada!

Constatação XI

O retruca só retruca o seu superior quando este permite que ele seja o quarto jogador de um jogo de truco e esteja jogando contra ele. Em outros casos será considerado indisciplinado e poderá até pegar uma cana por insubordinação.

Constatação XII

O religioso lia uma parábola; o professor de geometria analítica explicava aos alunos a equação da parábola; no campo de futebol, um jogador de futebol batia um escanteio e a bola descrevia uma parábola. Por outro lado (qual lado?), os planetas do sistema solar descreviam órbitas elípticas. No interior dos corpos moléculas, átomos, mésons, prótons e nêutrons não ficavam atrás. A hipérbole, sem tanta notoriedade, sofria, quase morrendo de inveja. Coitada!

E-mail: josezokner@rimasprimas.com.br