DANTE MENDONÇA LANÇA SEU LIVRO HOJE EM FLORIANÓPOLIS

capa

 

Não há quem não elogie Curitiba por seu perfil europeu, sua civilidade plena de cortesias, sua face organizada de Brasil que dá certo. Claro, como ninguém é perfeito, falta o mar, o cheiro das ostras e maresias uma ausência tão sentida que, para nós, Curitiba quer dizer ostracismo.

O que ninguém sabia é da existência de uma Curitiba secreta, cheia de cerebrinas histórias, bares e restaurantes memoráveis – entre os quais o da empreiteira que inaugurou uma casa de pasto num buraco, comemorando a canalização de um rio na Rua Voluntários da Pátria.

Não é piada do Dante Mendonça, o neotrentino catarina que é hoje o mais celebrado chargista-escritor da terra do Vampiro. A empreiteira organizou um churrasco dentro das canaletas do riacho, ainda a céu aberto. E convidou as “otoridades” para o faturamento de praxe. O eterno prefeito de Curitiba, Jaime Lerner, confessa o seu estupor:

— Quando vi onde seria o churrasco, levei um susto. O povo passava acima, ao nível da rua, e eu devorando uma picanha num túnel de lama!

O ex-prefeito, gourmet de fina linhagem, recomenda “Curitiba. Melhores defeitos, Piores qualidades” como o saboroso cardápio “à la carte” da bela e – seria verde? – capital paranaense. Curitiba, ensina Dante, não tem uma única cor, mas várias. Seu livro é um “intensivão” sobre os meandros da variada alma da “Potylândia” – ou você não sabia que nasceu e morreu em Curitiba o maior ilustrador gráfico do Brasil, o mitológico Napoleón Potyguara Lazzarotto (1924-1998), o “Poty”, bico de pena predileto de Gilberto Freyre, Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, José Américo de Almeida, Mário Palmério e Raul Bopp?

Os painéis de Poty estão no aeroporto, nos mercados, nos parques, nos monumentos históricos. “Numa cidade em que os artistas se tornam invisíveis, Poty é o artista mais visível de Curitiba”.

Flagrado no tal churrasco subterrâneo, o grande prefeito, que fundou a nova Curitiba, oferece seu selo de qualidade ao livro, como se ele fosse a surpreendente “sobremesa” daquele churrasco:

— O livro é um delicioso passeio pela história de Curitiba. Leitura obrigatória para curitibanos e não curitibanos, neotrentinos incluídos.

O autor, que já nos obsequiara com um verdadeiro “Tratado do Bem Beber”, um “Berlitz” sobre as linguagens do bar e de seus tipos, coloca na prancheta as “almas” – a ostensiva e a secreta – de uma cidade que seduz aos poucos, revelando os seus segredos apenas àqueles que merecem essa “Eureka”.

Como o vampiro Dalton Trevisan, Dante admite que “às vezes dói morar em Curitiba”, mas como é tão milagreiro quanto a Santa Paulina de Nova Trento, o autor descobre que há até sol na sua terra de adoção…:

— Sim, há sol em Curitiba. Mas somos a única capital brasileira onde os ouvintes ligam para as rádios reclamando porque o tempo vai melhorar…

Vou amanhã a Santo Antônio de Lisboa, debaixo de um sol adriático, e à beira de uma fazenda de ostras, comprar o instigante livro do Dante Mendonça, desvairada declaração de amor a Curitiba.

Afinal, se a vizinha capital não é o Paraíso, não deixa de ser um excelente “Limbo”.

 

Sérgio da Costa Ramos

17/04/09

 

convite-floripa-verso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: