JORGE (rapsódia) de jorge barbosa filho

( para meu pai jorge barbosa)

antes que ele morra

 

 

 

meu nome é jorge.

filho

de uma feiticeira circe,

amante de ulisses

e do prazer suíno

de seus amigos.

 

filho

de um pai também

jorge.

criou-me no samba,

no culto das madrugadas

pra mais além,

batucou-me grogue

com o gênio das garrafas.

e em ambas

aprendi a mágica:

 

e sôo

jorge,

o caborje

louco cego

como borges.

prego ego solto

no eterno,

o anjo e o diabo

nas esquinas do eco,

onde peco e rebato,

e mimético

meu vôo disfarço.

 

 

jorge,

acima do ben e do mautner.

filho

de gerações de sensuais e místicos

da laia dos velozes e fatais

e nos bares recito:

não gosto dos ritmos do mundo

por isto

inventei os meus.

assim sou o seu

 

jorge

portugal que descobre

áfricas na língua

da ginga brasileira.

e desfila acordes

escambos e o escambau

pelas bahias das minas

de salomão

 

jorge

que amadurece barbosa

o sol de cabo verde.

filho

da luz do precipício.

lorde

no país do carnaval,

e neste hospício

bispo do rosário

 

jorge

amado e odiado

bamba do império que lapido

nas madureiras, o âmbar

das terras do sem fim

e com meu verso inconsútil

invento orfeu

filho

dessa negra fulô.

 

 

 

 

jorge

de lima e grosa,

dilapido as horas

do fútil mistério

que cobre o meu sexo:

confesso,

sou lésbico com as palavras

e a túnica de minha poesia, dilacero.

eu sou bem safo!

 

 

ou meu santo é forte

filho

de ogum

e a sorte de ser são

jorge.

eu e meu cavalo

no subúrbio da lua

à galope no que valho,

cravo pelas ruas

o dragão

de meu epitáfio:

sou poeta, foge!

 

jorge

que bebeu dionísio

na barrica de diógenes

e na fonte de belerofonte:

meu mito escorre

pela boca maldita

ao largo da ordem

onde tomei porres, daqueles

babacas,

que não fodem

e não saem de cima.

 

 

 

 

 

 

 

meu nome é jorge

nem agora josé

nem enfim joaquim.

filho

do tempo

e suas relações naturais

um parto de campos

e matos

onde caetano, modesto

encanta o leão

e dá o compasso

ao nosso qorpo santo,

nefasto.

 

e eu sou

jorge barbosa filho.

branco, negro e índio,

xamã dos meus xarás

e minha tribo me espera lá

alto lá!

jorge de bar e bossa

fio da véia teia,

na festa da cumeeira

aonde brota o mel

no mar, no céu de yemanjá:

a fina vela blues de buzuca

e a pipa gay de jorge do kaká.

 

ou como me chamam cá

jorge barbosa filho,

um agnóstico aflito

com espelhos vastos…

jorge de qualquer lugar!

ninguém me deixa sonhar

porque sou portela, boêmio,

um jorge e um diabo do irajá

que  acena

um salve jorge

apenas num olhar.

 

e a minha vó… zilpa!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: