SOBREVOO RASO POR TRECHOS DO NOVO MILÊNIO poema de zuleika dos reis

 

                                                                      à memória de José Paulo Paes

               

                           

 

    

 

Tabuleiro medieval.

As tochas iluminam a Morte e o cavaleiro

no jogo que prossegue…

 

 

Algumas torres se preparam para a morte

outras, não. Enquanto isso, desde o primeiro lance,

os peões tremem.

 

Sem os peões, o jogo não existe.

 

O morto no campo de batalha

Olha o inimigo ao lado e pensa:                            O outro morto:

Esse está mais morto do que eu.                          Você se engana.

                A seguir se quedam calados sobre a terra:

                É impossível dialogar com o inimigo.

 

 

 

Atravessamos o milênio, e daí?                            Eu vejo:

Não vejo qualquer diferença no rio.                     Acaba de passar

                                                                           um cardume

                                                                           morto.

 

 

 

Se você pretende atravessar comigo                    Você consegue

neste barco                                                          ver esse

até o outro lado da linguagem                               outro lado

é mais seguro ir nadando.                         da linguagem?

 

Que nada!Parece que o rio vai longe!

 

Talvez – ainda é tempo –                                      Ou

sábio seja deletarmos rio                                      permanecermos

barco fazendo água                                              no ínfimo

passageiros…                                                       do deus

                            tal os múltiplos

                            os tantos

                            ainda aqui

                            reinventando liras

                            reinventando perguntas

                            reinventando o pânico dos antigos.

 

 

 

Pelas ruas, o pânico dos velhos caminha lento…

 

 

 

Minha eternidade pelo reinado de um dia.

Só libélulas são felizes.

 

As diversas tribos, cada qual balançando

em seu ritmo próprio

vão puxando alegremente a passeata

por aumento de salários.

 

 

 

Meu corpo silicônico absoluto perfeito

não precisa de futuro. Identidade?

Excesso de bagagem, problemas na Alfândega.

 

 

Me vendo na TV, no cruzamento da Ipiranga

com a São João.

Na telinha também os meus guris

os demais companheiros

os nossos piolhos

os carros estacionados.

Que belo enquadramento! Estamos ótimos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: