CRONISTA SEM ASSUNTO por hamilton alves

Sobre esse tema (que, afinal não é verdadeiramente um tema) José Carlos Oliveira escreveu talvez uma de suas melhores crônicas num livro de sua autoria, que guardo com muito carinho, a atestar minha admiração por sua grande qualidade de cronista.

                                   Carlinhos conta que, sem assunto para a crônica diária, por várias vezes enfiou o papel na máquina de escrever. Chegou a compor três ou quatro frases e não conseguia ir adiante. Tirava o papel do rolo da máquina, amassava-o e o jogava pela janela.

                                   Resolveu sair    à rua, na direção dos bares, onde o esperavam as garrafas (no dizer dele).

                                   Saiu andando de espírito vazio pela orla do mar, a fim de espairecer ou, quem sabe, à procura de assunto.

                                   Encontrou amigos, viu as gaivotas em seu canto estridente, numerosas, flutuando no mar ou esvoaçando pelo ar, mas nada do assunto aflorar.

                                   Escrevia diariamente para o Jornal do Brasil nessa época. Nada pode ser mais terrível do que a necessidade de redigir uma lauda e meia e não encontrar um mísero tema.

                                   Quem, cronista profissional, não passou já por tal tipo de crise?

                                   Quando o assunto não quer dar presença de si não adianta persegui-lo. O jeito é fazer como Carlinhos. Sair à rua, tomar o ar fundo, deixar as coisas acontecerem, até que a luz se faça ou não se faça.

                                   A solução é voltar à redação ainda de espírito vazio, sem nenhuma possibilidade, a mais remota, de achar o tema para desenvolvê-lo.

                                   O jeito que há, em tal circunstância, é encher lingüiça, como certamente fez nessa crônica, conduzindo-a até com certa maestria, finalizando assim:

                                   “Fiz outra bolinha de papel, joguei pela janela, fechei a máquina… Fechei a porta, fechei a garganta, fui andando pela beira do mar, mais certo do que nunca de que nada sucede na beira do mar”.

                                   Essa crônica, que finda dessa maneira tão deplorável, narrada por  Carlinhos, tem o titulo de “A fera em liberdade”, colhida das paginas 37/38 de seu livro “A revolução das bonecas”.

                                   Não posso me queixar como o fez Carlinhos sobre falta de assunto. A última experiência vivida por mim como cronista diário foi num jornal local, substituindo seu titular, cronista de boa cepa, Flávio Cardozo. Aceitei o desafio que me foi proposto de substituí-lo por um período de tempo considerável. E, agora, em “Palavras, Todas Palavras”, eis-me aqui tentando conduzir estas mal traçadas palavras. Nada mais tenho feito que tentar abrir caminho em direção a algum tema interessante, quando interessante.

                                   Se tivesse que arrostar uma coluna num grande jornal (ou mesmo modesto), diariamente, talvez me afligisse o drama de Carlinhos, que se viu alcançado num belo dia pela falta de assunto.

                                   E, para um cronista, que se vê na obrigação de cumprir seu dever diário, não há, na verdade, suplício maior.

                                   Faria também, certamente, uma bolinha de papel, atiraria pela janela, fecharia a máquina, e seguiria pela beira do mar…

 

(agosto/08)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: