Arquivos Diários: 11 maio, 2009

BERNÚNCIA, a EDITORA, CONVIDA para a FEIRA DO LIVRO de FLORIANÓPOLIS

CONVITE FEIRA DO LIVRO

ÉRICO’S – MÚSICA & BAR na Lagoa da Conceição em Florianópolis

ERICO'S BAR e-flyer__jornal

O Bar do Érico está de volta, agora em novo endereço com a maravilhosa vista da Lagoa da Conceição… 
Conhecido reduto da música nos anos 80 em Florianópolis, antes instalado nos altos da Praia Mole, reabre agora num local amplo, linda vista, climatizado  e com palco preparado para receber grandes músicos e bandas.
A abertura foi dia 27 de dezembro de 2008  prometendo muita diversão, música e gastronomia de primeira…

 

 

 Av das Rendeiras… 470 na Lagoa da Conceição,  Florianópolis-SC

TANKTOTENS poema de lilian reinhardt

   (líricas de um evangelho insano)

Debruço-me entre os recortes…
jornais, papéis, picotes,
a mídia confeitada,
tanktotens,
alma espolcada, amordaçada,
incisiva talha,
a escultura-figura,
ogiva de arcos, navalha de Smith,
ainda ergue sua cabeça
a este insustentável recorte
de céu, de papel…
Dá-me um novo torso,
um novo disco solar
de escorso, uma nova
cabeça totêmica,
além do fenômeno.
O amor é uma lâmina,
linha recortada contra
o pano de fundo do Totem!

A PAELLA de LUCÍA poema de tonicato miranda


                                                                    para JB Vidal

 

Quando doces pomares

encantam os olhos mais que o paladar

Quando anjos imaginários quase

pisam nos tentáculos moles de um calamar

sem se importar com suas não-pegadas na areia

que em parceria com a água tece desenhos na beira-mar

O sorriso foge de mim para cair no colo de uma sereia

 

Quando os ossos da perna e do andar

movimentam mais o caminho do que meu corpo

Quando o céu se enche de aves a migrar

e um ganso voando baixo voa com elas mesmo torto

sinto todos fugindo na retirada com o tem e o não tem

pois nada pode ser definitivo antes de estar morto

mesmo faltando o ar, a voz e estando ausente um bem

 

Quando um Concerto de Aranjuez lhe parte em dois

deixando os movimentos parados e a mente muito além

um Paco de Lucía pode lhe trazer a tristeza dos bois

enforcando-lhe na cordoalha da viola com dedos mais de cem

mesmo assim agora entendo na paella qual o sabor do arroz

também como homens e mulheres podem se tornar tristes

quando vivem a luta, deixando a vida pra depois

 

TM

Curitiba, 1/5/2009

KYRIE ELEISON poema de zuleika dos reis

A hora do não ser na espera por um Deus

ainda o nunca expresso desde o sempre

loucos gritos petrificados

unicamente âncoras lívidas

vagas naus por nenhum céu

incessante eco nas cavernas

voando sobre o mar asas sem bússola

luas de sonho a gemer nas manhãs

lento coração no galope dos mundos

recados do Silêncio nas grutas do sangue

entregues ao vento ausências rodopiando

apenas este pássaro estrangeiro

infinito olhar onde as naus se recolhem

folhas a agonizar sem testemunha

Kyrie eleison! No nada o deus se queda

em vão já, o tudo a vir a ser

a calmaria do crer por um segundo

de tudo somente o não que se preserva

do cais o olhar buscando o vento imóvel

sempre a do nada persistência inútil

sempre a do nada sapiência inútil

os planetas que se esquecem de girar

esboços em que se debatem os eus supostos

só, gritando, a nau de estar perdida

visões espessas no mar invisível

restos de brilho no que foi universo

líquidos sussurros

eretos pesadelos

assim este aglomerado em seus vãos próprios

infinita tarde a calar o casco dos segredos

os dias-pássaro migrantes paralíticos

sem voz o tempo inexistente

roçando a alma inverossímeis pedras

antepassada espera entre os escombros

insulado oceano

zarpar do único preciso tempo sem saída

a espera por um Deus na hora do não ser.