“VIAS PARALELAS”, MARCO DA LITERATURA CATARINENSE por hamilton alves

(editado pela Academia Catarinense de Letras, o novo livro de Silveira de Souza é um repertório de seus bons poemas, traduções e memórias)

 

                                                                       (Hamilton Alves)

 

 

                                               Há pouco, Silveira de Souza me mandou um recado eletrônico me pedindo a opinião sobre seu novo livro, ”Vias Paralelas”, sobre o qual (dito por ele) alimentava algumas dúvidas.

                                               Disse-lhe de saída que um escritor de sua marca e experiência não precisaria auscultar a opinião de ninguém para saber da validade sobre o que produziu ou escreveu.

                                               Li o livro, que contém nas primeiras páginas um punhado de vinte e cinco poemas de sua lavra, alguns dos quais considero verdadeiras jóias da poesia brasileira, podendo rivalizar, em qualidade, com os melhores poetas que hoje pululam por aí, destacando-se principalmente o poema “Psique no bar do mercado”, sobre o qual já tinha me manifestado numa resenha que publiquei não faz muito em jornal. Referi-me a uma dúzia dentre os vinte e cinco, que me parecem de alto teor poético.

                                               O livro, de 158 páginas, termina com traduções de alguns poetas consagrados mundialmente, como Emily Dickson, com “Há um certo desvio da luz”, e outro de  Goethe, “Achado”, destacando-se dois outros, de Gottfried Benn, “Cocaína”, e Dante Gabriel Rossetti, “Luz Súbita”; a meus ver, esses dois últimos inferiores, em peso poético, aos dois primeiros. À guisa de amostragem do bom  nível da poesia de Silveira, segue um desses poemas a que me refiro como possuidores de alta voltagem poética:

 

                                               O médico e o monstro

 

                                               “   O eu-um caminha por alamedas

                                                    e ruas bem comportadas. Dele

                                                    os vizinhos e amigos, bzz, bzz,

                                                    comentam as ações previsíveis,

                                                    sérias, profissionais.

 

                                                    Eis que em certas noites do ano

                                                    ou do mês ou da semana, por vezes

                                                    emerge um eu-dois, freudiano, sor-

                                                    rateiro inquilino. Ah, a bebida! Ah,

                                                    as   mulheres e a música

                                                    das boates suburbanas! Ah,

                                                    o cheiro e o sabor de corpos jovens

                                                    em dormitórios e motéis!

 

                                                    Então não esconde o eu-dois

                                                    certa tristeza ao acordar 

                                                    nesse ano, mês ou semana. E

                                                    das janelas ver o nascer das manhãs

                                                     na cidade enevoada.

                                                     LÁ (na bruma, na bruma)

                                                     inflexível, monstro em seu papel,

                                                     o eu-um o espera”.

                                                                                                                                                                                

                                               Além de seus próprios poemas e desses outros poetas traduzidos, Silveira faz a tradução de um conto de muito boa feitura de Nathaniel Hawthorne, com o título “Wakefield”, de “O Corvo – Filosofia da Composição”, de Edgar Allan Poe, e, ainda, de “Aforismas”, de Kafka. Brinda-nos também com alguns artigos memorialísticos, em que se reporta a vários temas que tiveram destaque em sua passagem pelo jornalismo, especialmente no desaparecido e inesquecível “Diário da Tarde”, quando o dirigia Tito Carvalho, um dos grandes nomes à época do jornalismo brasileiro, reportando-se ainda a sua vida profissional fora das letras.

                                               Trata-se de uma obra bem realizada, como no recado aludido lhe ressaltei. Não vai nesse comentário qualquer propósito de bajulação fácil. É a realidade dos fatos que se recolhe à leitura de “Vias Paralelas”.  Ainda tive oportunidade de lhe dizer que, a meu ver, a parte que mais se destaca é a inicial, que contém seus vinte e cinco poemas. Nem o poema de Goethe nem o de Emily Dickson, formulado com a categoria de sempre, nem os dois outros fazem a menor sombra aos poemas excelentes de Silveira, com destaque, como dito já, para “Psique…”.

                                               O livro tem o prefácio de Lauro Junkes, vazado em seis páginas, que reflete bem a qualidade do livro e do autor.

                                               Como depois disse ao Silveira, afora os poemas, em torno de uma dúzia (mencionei todos os que gostei e, mais tarde, acrescentei mais um ou dois ao rol dos que têm mais teor poético), se não valesse por isso ou pelas excelentes traduções do trabalho dos autores referidos, do alemão e do inglês, (aliás, diga-se de passagem, Silveira é um excelente tradutor nesses dois idiomas), o levantamento da memória de fatos culturais ou simplesmente de registro pessoal de certos eventos, vividos por ele em tantas circunstâncias, seria já, sem dúvida, um documento de real valor  quanto à referência a figuras que marcaram essa época, notadamente na imprensa ilhoa.

                                               Por tudo isso, “Vias Paralelas” é uma obra bem-vinda que, enriquecendo a fortuna literária já considerável de seu autor, um dos nossos escritores mais renomados, por outro lado, dá uma contribuição importante à literatura catarinense.

                                                   

                                              
(abril/09)                                                             x x x

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: