Arquivos Diários: 21 maio, 2009

PONTE DA AMIZADE (Brasil-Paraguai) poema de solivan brugnara

 

                 

                  O concreto da ponte flutua

                        tem algo de voar, de lento voar

                            algo que me deixa gasoso

                             ao andar sobre ela.

                      Porém parece só acontecer comigo,

                         os outros pedestres estão mais pedra.

                       Vejo engarrafamento, suor e contrabando,

                           mas a ponte se mantém tranqüila

                             com uma docilidade cetácea. 

                    Embala os que mijam, roubam, buzinam e xingam

                               sobre suas costas.

                        É das coisas que conheço

                           a mais próxima da santidade.

ALGUÉM SABE O QUE SIGNIFICA?

Vi vet

Vill ni veta

SPIELBERG e o futuro da revista impressa – por bruno rodrigues

Se os jornais diários de papel só fazem balançar na corda bamba, as revistas parecem estar se saindo bem; aliás, as revistas já se reinventam com dignidade há dez anos. A explosão do conteúdo na web, por exemplo, ao oferecer textos mais enxutos e um visual de maior impacto, serviu mais com estímulo à adaptação aos novos tempos do que uma visão do apocalipse. Do estilo de linguagem à programação visual, não houve publicação semanal, quinzenal ou mensal que não tivesse mimetizado a mídia digital – na maioria das vezes, com sucesso. Folhear uma revista de 1999 e compará-la com uma de 2009 faz uma imensa diferença.

 

E as revistas continuam se reinventando. Veja só as surpresas que duas das principais publicações desta década nos apresentam em suas edições mais recentes, prenúncio de que ainda há muito por vir:

 

. Steven Spielberg, editor da ‘Empire’
Colocar a tarefa de editar uma revista nas mãos de um diretor de cinema é uma daquelas ideias que nos fazem perguntar ‘por que alguém não pensou nisso antes?’. E se o diretor em questão é Steven Spielberg; a publicação, a inglesa ‘Empire’; e a edição, a comemorativa de vinte anos da revista, a ideia beira a genialidade. Spielberg pôs o dedo em tudo: da pauta às entrevistas, dos textos às fotos, da diagramação à capa. Algum problema nisso? Nenhum para os leitores, que estão fazendo os exemplares sumirem das bancas e das livrarias. Para os jornalistas é que vale uma pergunta: é fácil assim editar uma revista, sem nunca ter lidado com jornalismo, ou o trabalho de edição de um filme – tarefa a que Spielberg está habituado há mais de trinta anos – é semelhante ao de uma publicação impressa?

 

. J. J. Abrams, editor da ‘Wired’
Para quem não conhece, Abrams é visto como o novo Spielberg – ele é o criador de ‘Lost’ e da revitalização da série ‘Jornada nas Estrelas ‘ (aquela de Spock & cia.) para o cinema, e mais que isso não é preciso dizer. Abrams pegou a ‘Wired’, principal revista sobre tecnologia do mundo, e a virou do avesso. Criou uma temática subliminar para a edição – ‘mistério’, que ele conhece bastante, vide ‘Lost’ – e transformou a revista em uma questão a ser resolvida, em que o leitor precisa coletar pistas aqui e ali para checar à resolução sabe-se lá do quê. Afinal, é J.J. Abrams! O que sobra disso? Uma pergunta que insiste em martelar na minha cabeça: é preciso contar com um criador de séries para tornar uma revista mais interessante? Sei não, tudo me parece muito estranho…

 

E você, o que acha desta nova ‘tendência’? Se já há gritaria por conta de economistas que escrevem colunas para jornais, o que dizer de revistas editadas por diretores de cinema?

Morre Fani Lerner, ex-primeira-dama do Paraná

Morreu, vítima de câncer, na madrugada desta quinta-feira (21), a ex-primeira-dama do Paraná Fani Lerner, mulher do ex-governador Jaime Lerner.

 

FANI LERNER

FANI LERNER

O corpo da ex-primeira-dama será velado no Salão Nobre da prefeitura de Curitiba a partir das 10 horas. O enterro está programado para as 16h30 desta quinta-feira no Cemitério Israelitado bairro de Santa Cândida. Por motivos religiosos, a família pede que não sejam enviadas flores.

 

Fani tinha 63 anos e lutava contra o câncer desde fevereiro de 1995, quando precisou ser submetida a uma cirurgia de emergência. Passou os últimos dias em seu apartamento, no bairro Cabral, em Curitiba, onde era atendida por médicos e enfermeiras.

Durante suas gestões como secretária de estado da Criança, criou 16 programas para crianças e adolescentes carentes. Foi presidente da organização não-governamental Provopar(programa de trabalho voluntário), que trabalha em parceria com o governo do estado e a sociedade civil.

Em sua gestão, construiu cerca de 500 creches, que atenderam 485 mil crianças, de 0 a 6 anos de idade. Outro programa de destaque criado por Fani foi o Da Rua para a Escolavoltado a promover o retorno à escola das crianças de rua, com o fornecimento de uma cesta básica de alimentos para suas famílias. O programa tirou da rua mais de 80 mil crianças.

Em 2003, foi vencedora do Prêmio Kellogg’s para o Desenvolvimento da Criança, oferecido pela organização americana World of Children, em parceria com a instituição Hannah Neil.
Nos três mandatos de prefeito e nos dois de governador do marido, Fani comandou a área de assistência à criança das gestões. Casada com o arquiteto Lerner desde 1964, deixa as filhas Andrea e Ilana e os netos Ben, Liana, Tobias e Sophie.

Luto

Em razão do falecimento de Fani Lerner, o governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), e o prefeito Beto Richa (PSDB) decretaram luto oficial de três dias. “É uma perda muito grande para os curitibanos. Todos nós aprendemos a admirar dona Fani, tanto pela pessoa gentil, otimista e vibrante, como pelo grande trabalho profissional que desempenhou nas funções públicas que ocupou”, disse Richa, em nota.

A presidente da Fundação de Ação Social (FAS)Fernanda Richa, ressaltou que o trabalho de Fani no desenvolvimento social tornou-se referência para todos aqueles que trabalham no setor. “Dona Fani fixou modelos, não apenas pelo trabalho que realizou na prefeitura de Curitiba e no Estado, onde realizou inúmeros programas e projetos de governo, mas também por sua atitude e seu comportamento na vida pública”, declarou Fernanda, também em nota.

O presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Nelson Justus (DEM), também decretou luto oficial na Casa. “A Fani era uma mulher extraordinária, um ser humano especial, que se recusou a cumprir o papel tradicionalmente reservado às primeiras-damas e fez da sua participação nas administrações do Jaime um espaço para atuar, de forma incansável, em favor da criança. Ela mudou para melhor e de forma definitiva a vida de milhares de pequenos curitibanos e paranaenses com os programas sociais que criou. A sua falta, a partir de agora, só não é maior que a referência que ela deixa de amor e carinho pela gente do Paraná”, disse o presidente da Assembleia, em nota.

Por conta do luto, Justus determinou a suspensão de cerimônias públicas agendadas para esta quinta-feira no Legislativo estadual.

GP

O POETA e COMPOSITOR JORGE BARBOSA FILHO CONVIDA

SALVE JORGE!! os PALAVREIROS DA HORA desejam muita saúde e zilhões de alegrias para você meu mano! é lamentável, para mim, não poder estar aí para abraça-lo e encontrar toda essa turma linha de frente! das bandas aos poetas passando pelo grande maestro WALTEL BRANCO! feliz festa!

jb vidal seu mano de sempre.


psycho1

UM OLHAR NO ESPELHO poema de leonardo meimes

Não suporto um olhar no espelho.

Me aterroriza a expressão

Plácida e ao mesmo tempo mórbida

Que me acomete

 

Como mantenho esta face angelical

Sendo que, pouca fama

Têm minhas ações mais perversas,

Minha intro-perversidade?

Sois vil, vil, vil!

 

Refletindo agora percebo

O quanto sou vil.

Percebo a malícia perene,

A cadência intrigante

De meus pensamentos mais

ridículos

 

Brincas com sentimentos?

Brincas com as dificuldades?

Brincas com a ignorância?

SIM, sim, sim

 

Quase me quebro no espelho

Por não querer beijá-lo.

Eis uma aversão a mim mesmo

Aversão mais perigosa

 

Abre-se a notória realidade

Cai em meu colo como um fado

Não aquele que soa lindo e triste

E sim o que pronuncia o oráculo

Que sela o destino

E termina em fatalidade.

POEMA para DALÍ – de bárbara carvalho

BÁRBARA CARVALHO - dali1parte

BÁRBARA CARVALHO - dali2parte

ORAÇÃO AO OUTRO poema de joão batista do lago

Vejo-te, Outro,

amor da minha conduta.

Tudo o mais, além de ti,

é ilusório;

Representação falsa dos românticos,

Naturalistas dum tempo de sonhos.

 

Vejo-te, Outro,

símbolo máximo da razão.

Tudo o mais, além de ti,

é desprezível;

Devaneios de encantos de seres diacrônicos,

Vidas que se arrastam sem o deus-mercado.

 

Vejo-te, Outro,

mercadoria do meu consumo.

Se nele não te encontras:

não és nada…

Vê-se, pois, não tens a alma dum cifrão.

 

Vejo-te, Outro,

com minha visão de lucro.

Se nela não te sonho:

nada vales…

És mercadoria podre – espírito sem capital!