Arquivos Diários: 8 junho, 2009

ANTES DO ULTIMO VOO por affonso romano de sant’anna / Rio de Janeiro

Domingo passado, 31 de maio,  fazia um ameno sol de inverno no Rio de Janeiro. Havia uma expectativa de chuva ou tempestade à noite. Mas havia uma certa luminosidade sobre as praias. Os aviões chegavam e partiam.  Em Paris, sendo primavera, o clima era agradável. Os aviões chegavam e partiam.

No Rio o comissário de bordo Lucas Gagliano preparava-se para o vôo que o levaria uma vez mais à França. Voltava à vida, apesar de  há 15 dias ter  assistido ao enterro do pai. Deu uns telefonemas e preparou sua bagagem.

O cirurgião plástico Roberto  Chem com sua mulher Vera e a filha Letícia,  vindos de Porto Alegre   sobrevoavam o Rio  encantados uma vez mais com o cenário   que viam, e anteviam já  as delícias de estar no dia seguinte na Europa.

Pedro Luiz de Orleans e Bragança, com seus 26 anos de estudante,  preparava-se para retornar a Luxemburgo.Havia visitado seus pais em Petrópolis  e tomava o rumo do aeroporto do Galeão.

O casal Christine e Fernando fez como fora combinado. Não deveriam nunca viajar juntos com os filhos. Por isto ele seguiu num outro avião mais cedo com o filho de três anos e ela dirigiu-se com o filho de 5 anos para o outro vôo dentro da noite.

Os 19 funcionários da  empresa francesa CGED  que haviam ganho como prêmio uma viagem de férias  no Rio, iam fazendo piadas na condução para o  aeroporto. Levavam em suas bagagens presentes para os colegas e familiares que ficaram na França.

Moritz Koch,  arquiteto, havia realizado o seu sonho, que era se encontrar com o mítico Oscar Niemeyer e com ele realizar um projeto para a cidade em que morava Postdam. Voltava para casa como quem leva um troféu.

Eles estavam em lua de mel- Ana Negra e Javier Alvarez. E agora retornavam para casa. Mas Javier, pensava em ir antes para Dubai, enquanto ela seguiria para Barcelona.

Agora, o dentista Jose Amorim e sua esposa francesa Isis,  podiam partir tranquilos, pois haviam comemorado o aniversário com seus familiares em Niterói.

Um bailarino precisava viajar mais cedo e uma senhora cedeu o seu lugar, por 200 euros e embarcou no lugar dele no avião que sairia à noite.

Enfim, 228 pessoas de 32 nacionalidades, estavam tomando seus assentos  no mesmo avião e embarcando para a fatalidade.

Entre elas, meu amigo o maestro Silvio Barbato. Tentei contatá-lo dias antes para que viesse assistir a uma palestra que eu faria   na casa dos colecionadores de arte Sérgio  e Hecilda Fadel naquele domingo à noite. Éramos amigos há tempos. Foi na Biblioteca Nacional que ele apresentou pela primeira vez um concerto com árias inéditas de “O Guarany” de Carlos Gomes. Estivemos juntos inúmeras vezes, muitas delas, na mansão de Cesarina Rizo.

Silvio despediu-se de sua amada Antonella Pareschi – primeira violinista da Orquestra Petrobrás Sinfônica, e foi para o aeroporto. Já sentado no avião telefonou para ela reclamando jocosamente que o puseram lá no fundo, no último assento.

O avião levantou vôo. Como sempre.

Naquela hora eu fazia uma conferência sobre a arte de nosso tempo.

Cesarina Rizo, movida por estranho impulso, às 10 da noite, quando o avião cruzava o Atlântico, ligou para o celular de Silvio.

Um silêncio  absurdo, foi a resposta.

O SILÊNCIO de otto nul / palma sola.sc

o silêncio borda

o ar da sala

.

de cores tristes

e pálidas

.

tece a música

das moscas

.

rumina no canto

das portas

.

fala no beiral

das janelas

.

sopra sôfrego

no vagar das horas

.

ecoa nos buracos

negros da alma

.

x x x

(maio/09 – otto nul)

TAINHA enche as redes da ILHA DE SANTA CATARINA

OS VIGIAS A POSTOS OBSERVANDO A CHEGADA DOS CARDUMES:

José Ercílio Gonçalves, o Piranha, é um dos mais experiêntes vigias do Pântano do Sul. Nascido no Campeche há 54 anos , ele está na pesca desde os quatorze. De sóli parido a sóli murrido ele está lá na vigia, concentrado nos cardumes e de olhos fixos no infinito. Hoje, é um dos poucos camaradas que vivem exclusivamente da pesca. É um pescador profissional. Sem decuidar do mar, ele explica como é que vê os peixes.

SEXTA-FEIRA, 5 DE JUNHO DE 2009

NOS INGLESES!  40 toneladas de tainha!!

PESCA DA TAINHA - INGLESES

OS VIGIAS, do alto dos morros,  observam a chegada dos cardumes e avisam seus companheiros que se lançam ao mar.

PESCA DA TAINHA - VIGIAS vigias03

Fernando alexandre jorn poeta

Fernando Alexandre é jornalista, poeta, editor e autor do “Dicionário da Ilha – Falar & Falares da Ilha de Santa Catarina” e “Dicionário do Surf – A Língua das Ondas“.

Também é o autor da matéria acima e editor do blog: ÚÚÚÚ!!! A PESCA DA TAINHA