FINGIR de rosa DeSouza / portugal / florianópolis


 

Se o poeta é um fingidor,
e finge tão completamente
que chega a fingir ser amor,
o amor que deveras sente…

(desculpas a Fernando Pessoa)

me pergunto, porque nunca consegui…
fingir o que hoje senti.

Se seu ser o sangue me revolve,
como poderei fingir que se dissolve?

Se seu olhar me invade,
como poderei mostrar imunidade?

Se por ele sinto o amor mais profundo,
como poderei criar verso mudo?

Se por ele poderia morrer,
como sem ele poderei viver?

Uma resposta

  1. A palavra não é amor, na primeira estrofe, mas dor se é que o verso se refere ao de Pessoa. abrantes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: