Arquivos Diários: 11 fevereiro, 2010

SONHO DO SONO ETERNAL de laércio zaramela / são paulo

Me faça um afago na face
E afugente de mim o cansaço
Que insiste em permanecer.

Assim, nas areias molhadas
Das águas salgadas do mar
Eu sonho que adormeço
O sono eternal.

Se tenho a face cansada
Me faça um afago
E me ajude a dormir.

Assim, fielmente prometo
Sonhar o mais lindo dos sonhos
Que um dia eu possa ter
Com você.

QUANDO AS NUVENS FECHAM de jorge barbosa filho – curitiba


quando as nuvens fecham o céu

e meus olhos choram, são chuvas, sempre chuvas

onde você deitou, chorou e escorregou.

em meu peito molhado, ficando carregado

de tantos trovões, com teu amor.

quantos estouros, não sei porque!

queria um beijo que fosse sincero.

não um beijo, mais do que um beijo,

um beijo para ser eterno… e terno.

mesmo no inferno… e mesmo no inferno.

a tempestade do meu ser, acho,

deve te dar algum prazer…

algum prazer! uhunhuhn algum prazer!

o céu está cinza. pra quê tantas chuvas,

se admiro isto distante, distante,

e me molhar no meu amor num instante

apenas por um instante.

apenas por um instante.

os pingos das chuvas me dão o lazer

pra brincar com você, para ser o quer você ser…

o seu ser… as nuvens se fecham,

meus olhos se cerram e as nuvens se fecham

nunca mais verei as luas, as luas…

quando as nuvens se fecham,

e minhas pálprebas também…