Arquivos Diários: 15 fevereiro, 2010

MATADORES DE BORBOLETAS AZUIS de solivan brugnara / quedas do iguaçu.pr

Não perdôo, não perdôo os soldados franceses

que colocaram suas línguas ferinas

nos canhões

e destruíram

a estátua eqüestre de Leonardo.

Argila mais bela desde Adão.

Destruíram

a escultura

que era das coisas mortas, a mais viva.

Porque não recolheram os fragmentos amorosamente

ate  a invenção do superbonder?

Os críticos que jogam ausências são filhos e netos destes soldados.

Não perdôo os fascistas, não perdôo

com  fuzis  atiram dentes de leopardo em  Lorca

e a multidão de poemas ainda em casulos

dentro dele

agora são mortalhas.

Matar um poeta é queimar livros antes da publicação.

Não perdôo, não perdôo o vândalo

que destroçou o rosto de Pasolini  como um vaso vermelho.

Dentro deste canopo tinha tantos filmes e poemas viscerais

que foram quebrados antes da descoberta.

Não perdôo Maiakovski, não perdôo,

teu sangue tem cheiro de poemas mortos.

Você também assassinou um poeta

com seu suicídio.