PRAEMONITIONE e SESSÃO À MEIA LUZ – de raymundo rolim / morretes.pr

Praemonitione

Primeiro desceu as escadas correndo feito um maluco. Depois andou oito quadras e meia sem respirar direito. Precisava a qualquer custo vencer os próprios limites. Titulara-se no trigésimo quinto e sexto idiomas – aramaico e dravídico – que passou a falar, escrever e arriscava-se mesmo a compor alguns poemas nessas línguas, que de tão antigas estavam quase a morrer. E já pensava numa nova loucura, quando algo lhe tocou o ombro. Estremeceu. Voltou-se lento, vagaroso, temeroso, na direção da mão que fendia o ar e se transfigurava numa coluna de fumaça branca. Pressentiu que dessa vez seria ele a reencarnação final de Copérnico, o novo papa; e não um outro!

Sessão à meia-luz

Sabia e muito bem, que teria de se apressar, se não quisesse chegar atrasado para a sessão de “desencarne”. Bem, pelo menos era este o nome que davam lá nas sessões, num bairro que ficava longe, na periferia. Chegou e foi logo convidado a ficar no canto esquerdo, ao lado da médium, que respirava de modo esquisito, pressionando o ar e bufando feio. Pediram-lhe que se sentasse e não cruzasse mãos ou pernas, que fechasse os olhos. Ficou um pouco ressabiado. Sabia das muitas histórias de “receber o santo”, e que nesse estágio, as pessoas faziam coisas horríveis, como girar, rolar no chão, falar com voz que não a própria…eu hem, pensou! Logo ele que se achava o próprio santo e de modo algum carecia de receber um outro -. E também, não era muito chegado a isso e não confiava em santo alheio a não ser no próprio. Possuía os seus, sabia-lhes os nomes, os milagres, data de canonização etc. e tal. Bem, já estava ali no escurinho mesmo, não custava fechar os olhos. E de certa forma, lhe fora gentilmente solicitado. Com aquelas velas fraquinhas, manteria uma frestinha, uma nesga de olhar a bisbilhotar o recinto, no caso de algum imprevisto. E foi o que fez. E aí, foi quando viu mãe Maria. Sabe-se lá por que, segurava e vinha com uma faca enorme para as suas bandas. O homem levantou, desatou a correr, derrubou muitas imagens de São Jorge e outras tantas de exus e outras que nem sabia quem ou o que eram. Disparou porta a fora. Tamanha inquietação não lhe permitiu reparar no bode preto que estava amarrado ao seu lado, resfolegando feio. Ele, o bode, era o objeto do desencarne e não ele, o convidado. Ficou para uma outra vez, uma outra sessão que ele sabia, de antemão, jamais estaria lá.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: