O SENTIDO DAS COISAS por zuleika dos reis / são paulo



O sentido das coisas não se perde de repente. O sentido das coisas vai se perdendo aos poucos, de maneira insidiosa. As coisas vão perdendo sabor, até que a língua não sinta mais nada. As coisas vão perdendo cor, até só restarem cinzas do que um dia foi cor. As coisas vão perdendo forma, até a invisibilidade feita de nadas intocáveis. As coisas, sem cheiro. As coisas, sem saber nenhum. De tudo restam os pensamentos, o olfato, o tato, a visão, o paladar, sem objetos reais.  Restam os nadas, sem saber, cheiro, forma, cor, sabor.

O sentido das coisas não se perde nunca. O sentido das coisas permanece, quando nós perdemos o sentido das coisas. Permanece, algures, alhures, nenhures. Permanece, nos outros; em cada outro, outro sentido de cada coisa, sentido alheio  desde sempre e para sempre ao nosso paladar, à nossa visão, ao nosso tato, ao nosso olfato, ao nosso pensamento. Por isso, não há palavra nem silêncio nosso que permitam ao outro alcançar o sentido da perda do sentido das coisas  em nós. Por isso não há silêncio nem palavra que permitam ao outro fazer-nos recuperar o sentido das coisas, através do sentido das coisas que permanece nele, no outro. Também nada cala nem fala ao outro, da nossa fala ou mudez, quando esse outro nos tenta comunicar a perda do sentido das coisas em si próprio, a sua própria perda do sentido das coisas.

Quando o outro nos diz que perdeu o sentido das coisas, nós tentamos compreender tal perda de sentido a partir do único referencial que temos: o modo como o sentido das coisas se articula em nós, se não o perdemos;  como se articulou, se já não o temos. Este modo de articulação, se ainda em nós, não nos permite, a não ser através de analogias precaríssimas, apreender a real natureza da perda do sentido das coisas no outro. Se já não temos o nosso próprio sentido das coisas, não nos sendo possível reconstituí-lo, nem pelos órgãos dos sentidos, nem pelo pensamento, a tarefa de sintonizar, minimamente que seja, com a natureza da perda do sentido das coisas no outro, tal tarefa se torna absolutamente impossível.

Quando o sentido das coisas se perdeu em nós e o sentido das coisas se perdeu no outro, sendo esse outro um próximo demasiadamente próximo, nos dói infinitamente mais a perda do sentido das coisas  neste outro demasiado próximo, do que a perda do sentido das coisas em nós próprios. E, mais ainda do que a dor de saber da perda do sentido das coisas  neste próximo-amado dói-nos não nos ser possível  devolver, a este amado, o seu próprio-perdido sentido das coisas, muito menos doar-lhe  o nosso também pretérito sentido das coisas, que já não nos pertence mais.

O sentido das coisas é preciso? Por que e para quê as coisas precisam de sentido? Por nós? Para nós? O segredo, que não existe, talvez seja apenas ficarmos com as coisas, entre as coisas, apenas sendo e existindo com elas. Sem sentido nenhum.

5 Respostas

  1. Gostei muito do seu texto eu ultimamente em segredo ando perdendo os sentidos das coisas por sentimento passados mas isso é passageiro sei que as coisas estão melhorando e não à porque desse sentimento vago. Parabéns pela sua literatura.

  2. Zu

    O sentido das coisas pode se perder,mas teremos sempre o sentimento contido nas coisas que perderam o sentido.Não podemos contemplar que as coisas sem sentido sejam sem sentimento.Não é porque desisti de comer chocolate que o próprio chocolate tera perdido o sabor.E eu me lembrabrei do mesmo.O que fica de tudo é o sentimento, mesmo que o sentido se vá.
    Não estou querendo desconstruir a tua poesia ,tão bela e cheia de paradoxos sentidos.Precisamos nos apegar aos sentimentos para nos sentirmos humanos.Mesmo que sejam emprestados. Senão,ai sim, tudo ficará sem sentido,rumo e direção.

    1. Está certo, meu sempre amigo querido. Só que o que eu escrevi, antes de ser uma escrita lógica, só feita de razão, veio do sentimento fundo… fundo… fundo… da falta de sentido nas coisas. Que elas têm sentido, têm, mas o sentido delas anda, HÁ MUITO, PERDIDO EM MIM.
      Beijo da amiga
      Zu.
      Em tempo: quando me recuperar um pouco mais de mim, volto para nós, para a amizade tão especial em nós

  3. Antes de tudo, querido Otto, muito obrigada pelo Zuleiquinha. Ficou tão doce… tão carinhoso… Obrigada também pelo comentário: você percebeu o paradoxo da questão,à Caeiro. Devo reconhecer ( você não o disse) certo artificialismo nas colocações do primeiro parágrafo.
    Beijo
    Zuleiquinha.

  4. Zuleiquinha,

    você é na verdade uma craque do sentido. Para que o sentido, nada precisa de sentido. Acertaste na mosca. Abraço. Otto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: