Arquivos Diários: 13 maio, 2010

“COISAS DE MARIA JOÃO” apresenta MILTINHO e MARCELO dia 14 de maio as 21 hs / ilha de santa catarina

Dupla celebra 82 anos de ‘bebedeira’ no mesmo pub /inglaterra

Britânicos se conheceram aos 13 anos em bar de Somerset.
Les Perkins e Chris Parfitt já viram muitas mudanças em pub.

Os britânicos Les Perkins, de 98 anos, e Chris Parfitt, 95, bebem juntos no mesmo bar de Somerset, na Inglaterra, há 82 anos. A dupla é o exemplo vivo do conceito “cliente fiel” para o pub Waggon and Horses.

Eles se conheceram naquele bar quando ainda tinham 13 anos e estavam com seus pais. À época, eles estudavam em escolas diferentes e não tinham nada em comum.

Com o passar dos anos, Perkins e Parfitt tomaram gosto pela bebida e fizeram do pub seu ponto de encontro semanal. E lá se vão mais de oito décadas.

Recentemente, a dupla foi fotografada no balcão do bar, onde brindou a amizade ea bebedeira.

“Os novos donos são muito bons e a comida daqui é excelente”, contou Parfitt ao tabloide “The Sun”. Ele e o amigo já acompanharam muitas mudanças no pub, como a passagem de quatro diferentes administrações.

“Já vimos muitas pessoas passarem por aqui. Gostamos de algumas e nem ligamos para outras. Mas todas passam e nós ficamos”, brincou Perkins.

g1.

O VENTO de vera lucia kalaari / portugal


Quando em meu frio leito

Recordo com deleite

Os passos da minha vida,

O vento que bate

Nas paredes corroídas

Pede também guarida

No meu louco coração.

Num triste lamento

Que sai da imensidão

Do negro firmamento

De manso vem surgindo…

Depois, negado o refúgio pedido,

Segue rugindo, increspando o mar

Em vagas alterosas,

Rompendo o ar

Em brisas furiosas.

E a noite serena,

Acorda perene…

Esconde-se a lua,

Fogem as estrelas,

O céu se turva

Ao vento que passa,

Que mata o tempo

Que apaga a vida

E tenta, em vão,

Parar o meu coração.

SÃO PAULO: “COMOÇÃO DAS NOSSAS VIDAS”! por zuleika dos reis / são paulo


Pobre da nossa São Paulo, comoção das nossas vidas, como foi a comoção da vida de Mário de Andrade. Pobre da nossa São Paulo, afogando-se nas águas vindas dos céus, nas águas transbordando dos rios, nas lágrimas transbordando dos olhos que choram por seus mortos.

São Paulo, comoção das nossas vidas! Rogai, Santo Apóstolo, pela cidade que carrega o vosso nome. Rogai por todos os filhos desta cidade, particularmente pelos mais pobres e miseráveis.

Rogai pelos pobres de todas as misérias, que são legião: a miséria da falta de trabalho, a miséria da falta de justiça, a miséria  da falta de pão; a miséria da falta de equilíbrio, a miséria da falta de paz, a miséria da falta de amor, a miséria da falta de tolerância, a miséria da falta de aceitação(…). Rogai pela superação das nossas misérias que, como em tantas outras cidades do mundo, compõem uma legião.

Apóstolo Santo: Rogai por nossa pobre tão rica cidade, amada como se ama a própria filha, como se ama a própria mãe; esta nossa São Paulo demasiado humana e, por demasiado humana, feita de toda luz e de toda sombra, de todo mal e de todo bem, de toda virtude e de todo vício, com sua alma sempre dividida entre Apolo e Dionísio.

Velai por nosso destino e pelo destino da cidade que carrega o vosso nome, Apóstolo dos gentios, vós que espalhastes a Mensagem para muito além dos muros do Templo.

São Paulo, velai por São Paulo!