Arquivos Diários: 11 junho, 2010

NOSSA CASA: PLANETA TERRA, SOCORRA E CUIDE

UM clique no centro do vídeo:

Parte I:

Parte II:

Parte III:

Parte IV:

Parte V:

Parte VI:

Parte VII:

Parte VIII:

Parte IX:

Parte X:

Parte XI:

VAMOS BRINCAR DE BAUDELAIRE? (ou ALMA PASSANTE) – de ivan justen santana / curitiba

A rua matava surdo a buzinada.
Faróis e placas falavam ao mesmo tempo.
Meu pé: dependurado na calçada.
Mas o olhar já contornava o cruzamento.

Percebi que perseguia uma passante
Quando ela viu também que me seguia.
Disfarcei e ela disfarçou no mesmo instante.
Fiz que fui mas não fui, e ela ia e não ia.

Fingi ser mais velho, ela deu-se ares de menina.
Saí pela esquerda. Ela, pela direita.
Esbarramos logo na próxima esquina,
Cúmplices abaixo de qualquer suspeita.

PAVANA PARA UM TREM MORTO – de júlio saraiva / são paulo



o trem
tem
o trem

o trem
é
o trem
sem

o trem
traz
o trem
mas
o trem
sem
o trem
jaz

………………..

na noite
fria
o trem
chacoalha
o trem
sacode
o trem
não pede
o trem
não pode
a lua
coalha
o sol acode
o trem
não para
o trem
não pede
o trem
não pode
o trem
se despe
o trem
despede
o trem
dispara
o trem
explode
o trem
nem pisca
o trem
arrisca
o trem
petisca
o trem
não risca
porque
na busca
o trem
se assusta
o trem
desponta
o trem
aponta
o trem
apronta
o trem
apita
o trem
navega
o trem
divaga
num mar
de ferro
o trem
se afoga
o trem
naufraga
num mar
de ferro
num mar
de ossos
ossos
de ferro
ossos
de aço
cadê o trem?
cadê o trem?
cadê o trem?
a noite
espanta
a noite
despista
a voz
sinistra
da alma
penada
do maquinista
atrás
do trem