Fuga Pictórica em Rap – de tonicato miranda / curitiba


Vida que passa e não passa

Quando minha cara de passas

Caça o seu olhar e laça

O vento sibilando na janela

É a flauta de Bashô

Fabricando músicas, fazendo um dô

No sopro que a boca dá

Há açúcar lambuzado na cara

Melado escorrendo do ouvido

O mundo de súbito parido

A lua tinindo seu sorriso

Os negros aqui e ali batem tambores

Estalam línguas, dedos e pés

O ritmo exige balanços, muito bis

O coração tem de ir aos quadris

Não queria ser assim tão caminhante

Preciso parar no meio do caminho

interromper a viagem, saltar do ônibus

visitar uma casa jamais visitada: este o ônus

Por que viajar no tempo tão ligeiro?

É preciso fazer novembro voltar a janeiro

ter um verão no olhar e a perna mais solta

uma voz sem cor, um olhar sem respostas

ter a porta aberta ao novo, ao desconhecido

Tudo livre à frente, preparando a volta

para fora de mim, para longe do agora

Quem sabe um gato salte do meu telhado?

Uma resposta

  1. Caro Tonicato: tão rico o jogo de sons e ritmos, que isto compõe os sentidos-música… e, de cara, já diz o poema. O mais, procura-se depois.
    Grande abraço
    Zuleika.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: