Arquivos Diários: 8 setembro, 2010

‘Modelo cubano não funciona mais nem mesmo para nós’, diz Fidel / havana. cuba (entrevista histórica)

Ex-presidente admitiu que o modelo não tem apelo para ser exportado.
Especialista diz que declaração deve abrir espaço para reformas em Cuba.

O ex-presidente cubano Fidel Castro admitiu que o “modelo cubano” não tem mais apelo para ser exportado para outros países. A declaração faz parte de uma longa entrevista que concedeu à revista americana “The Atlantic Monthly”, cuja segunda parte foi publicada nesta quarta-feira (8). Questionado pelo o jornalista Jeffrey Goldberg se a

chava que o modelo cubano ainda poderia ser exportado para algum lugar, Fidel respondeu: “O modelo cubano não funciona mais nem mesmo para nós”.

Segundo Julia Sweig, diretora de pesquisas sobre a América Latina no Council of Foreign Relations, que acompanhou o jornalista em sua viagem a Cuba, “ele não rejeitou as ideias da revolução”, mas apenas admitiu que sob o “modelo cubano” o Estado tem um papel grande demais na vida econômica do país. Segundo ela, trata-se de uma forma de abrir espaço para que Raúl Castro, irmão de Fidel que está no poder desde que ele saiu da Presidência, faça as reformas necessárias para abrir a economia do país.

Reportagem da revista “Atlantic” com a entrevista de

Fidel Castro publicada na internet nesta quarta-feira (8).

(Foto: Reprodução)

Fidel Castro, durante visita ao Aquário Nacional em Havana, junto ao jornalista americano Jeffrey Goldberg, da revista ‘Atlantic Montlhy’ (Foto: AFP)

Na mesma entrevista, o ex-ditador cubano criticou a retórica antissemita usada pelo presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. “Não acredito que alguém tenha sido mais difamado que os judeus. Diria que muito mais do que os muçulmanos. Foram mais difamados que os muçulmanos porque são acusados e caluniados por tudo. Ninguém culpa os muçulmanos de nada”, estimou Fidel.

“Digo isso para que você possa dizer a ele”, respondeu Fidel, indagado pelo correspondente Jeffrey Goldberg se tem a intenção de compartilhar com Ahmadinejad seu ponto de vista.

Goldberg foi convidado pelo próprio Fidel, que se interessou por um artigo seu sobre as tensões entre Irã e Israel. “Os judeus tiveram uma vida muito mais dura do que a nossa. Não há nada que se compare ao Holocausto”, afirmou Fidel Castro, que foi entrevistado pelo jornalista em Havana durante três dias.

Fidel Castro, que voltou a aparecer em público e escrever com frequência nas últimas semanas, criticou Ahmadinejad por negar o Holocausto, e afirmou que o governo iraniano contribuiria para a paz se tentasse entender porque os israelenses temem por sua existência, escreveu Goldberg.

“QUANDO DOU COMIDA AOS POBRES, ME CHAMAM DE SANTO. QUANDO PERGUNTO PORQUE ELES SÃO POBRES, CHAMAM-ME DE COMUNISTA”. / DOM HELDER CÂMARA – salvador.ba

A VERGONHA DO DIA – por vera lucia kalahari / portugal

O  ‘’Processo Casa Pia’’, que teve o seu desfecho ontem, com a condenação de seis arguidos, foi, sem dúvida alguma, a vergonha das vergonhas, no que diz respeito à  Justiça que neste momento existe em Portugal.

Baseando-se todo ele em testemunhos das vítimas daquela Instituição, sem haver o cuidado duma investigação cuidadosa se o que elas alegavam, correspondia ou não à verdade, este processo,  teve, na minha opinião, como único objectivo, desviar as atenções para muitos outros culpados, nomes sonantes de todas as esferas sociais, desde políticos a personalidades da alta sociedade e do clero.

Portanto, quando o funcionário da Casa Pia, Carlos Silvino, resolveu, ‘’apertado’’ que foi, começar a divulgar o escândalo, deve ter assustado muita gente influente que,

imediatamente começou a elaborar uma manobra para ‘’entreter’’ o público.

Mas é claro que para isso, necessitavam dum nome sonante porque a verdade, é que todos os outros acusados de ‘’pedófilos eram ilustres desconhecidos, que só se tornaram figuras públicas no decorrer do processo. Nunca ninguém tinha ouvido falar deles. Na minha opinião, quando escolheram Carlos Cruz ,a figura mais popular e querida do povo português, para encabeçar esta lista, foi para darem mais crédito ao processo e para que este tivesse o impacto que teve.

Foi , portanto, não o ´´Processo Casa Pia’’ mas sim, o ‘’Processo Carlos Cruz’’ um colega por quem eu punha as mãos no fogo.

Provas abonatórias foram pura e simplesmente escamoteadas, e retiradas da investigação, prevalecendo unicamente tudo o que servia para acusação.

Testemunhos que contradiziam os acusadores, não foram considerados. Os jovens

indicavam casas onde os abusos tinham tido lugar, mas que , defrontados com a sua localização, passavam ao ‘’esquecimento’’, por ter decorrido muito tempo.

Enfim, um rol de acontecimentos incríveis, muito deles completamente fantasiosos

que provocavam o espanto de qualquer leigo.

Também a comunicação social fez um trabalho desastroso, a meu ver, com jornalistas

imparciais e especulativas, desejosos de se tornarem famosos, que ‘’atiravam’’ para a opinião pública notícias e entrevistas

com as vítimas, sem terem o mínimo cuidado em averiguarem a sua idoneidade , e note-se que algumas delas, deixavam muito a desejar, sendo até as próprias mães que vinham testemunhar o oportunismo confesso dos filhos, que tinham sido incitados a

entrarem nesta embrulhada, para ‘’ganharem’’ algum/muito dinheiro. Estes testemunhos, eram logo abafados. Aqui, só interessava a condenação pública daquele que até ali tinha sido o ídolo dos portugueses, e que de ídolo, passou a ser um famigerado pedófilo.

Pedófilo…Não considero que isto tivesse sido um caso de ‘’pedofilia, mas sim, prostituição de menores, que também, pelo menos alguns ao que eu saiba, não foram forçados a sê-lo… Quiseram, isso sim, terem acesso a coisas que doutra forma nunca as conseguiriam… E o que é certo, é que a maior parte deles, continuam a prostituir-se no Parque Eduardo VII, à vista de toda a gente e de todas as autoridades… Qual a lógica?

Todo o início deste processo teve cenas verdadeiramente rocambolescas, com um Juiz

Rui Teixeira que se tornou vedeta dum momento para o outro, e que de repente, pura e simplesmente, desapareceu. Dum funcionário do Ministério Publico, João Guerra, acusado de não incluir provas de grande importância em defesa dos arguidos, e que,

pura e simplesmente, desapareceu. Duma dama da alta sociedade e responsável governamental junto da Casa Pia, que depois de alguns anos de saber o que se passava,’’a tal  Dra.Teresa Costa Macedo, resolveu  denunciar os abusos, mas que nunca fez parte do processo, assegurando que tem uma lista de mais culpados de nomes sonantes, mas que tal lista só será divulgada após a sua morte…???

Enfim, este é mais um caso vergonhoso que estou convencida, um dia terá que, forçosamente, voltar a lume, com muitos e verdadeiros culpados que neste momento

Se escondem na sombra, com o manto insidioso que foi criado para os manter na obscuridade.

Enquanto isso, destrói-se sem contemplações, a vida dum homem e da sua família…

Carlos Cruz tem um site no Facebook onde irá publicar todo o processo.

E para finalizar, que se saiba que estas sentenças foram divulgadas, sem que os réus ou seus advogados fossem informados dos factos que ditavam os anos de prisão estipulados. Tal como no início do escândalo, quando Carlos Cruz foi detido e mantido em prisão efectiva durante um ano e três meses, passando depois a prisão domiciliária por mais dois anos, sem culpa formada, só na próxima quarta –feira será entregue aos

seus advogados uma súmula do julgamento, onde serão informados dos fundamentos em que se basearam para as respectivas penas.

Passo agora a transcrever, para vossa apreciação, o comentário que coloquei no site

Carlos Cruz, do Facebook, para vos elucidar melhor sobre esta vergonha.

Não quero terminar sem afirmar que estou totalmente do lado das crianças que foram vítimas destes abusos e que me magoa profundamente que as Instituições a quem elas foram entregues, para serem protegidas, depois de outras tantas misérias passadas, quem sabe, no seio das próprias famílias,  as tivessem protegido tão pouco…  Mas isso é outro caso que nunca foi discutido… Porque a maior parte dos abusos, ocorriam precisamente dentro dessas Instituições… Não deveriam os seus dirigentes serem também responsabilizados e sentarem-se nos bancos dos réus? Mais um pormenor que passou ao largo, porque  ao que se sabe, alguns sabiam, mas tiveram medo de divulgarem nomes…

‘’Hoje estou triste, não só pelo Carlos Cruz, ignobilmente acusado na farsa que foi todo este processo, mas também pelo país em que se transformou Portugal… Um sítio mal frequentado… E quando um país está nas mãos de gente como esta na no…ssa justiça e no nosso governo, é, infelizmente, um país que está muito doente… Este processo foi desde o início uma vergonha, desde os jornalistas que lhe deram cobertura, com um jornalismo vergonhosamente especulativo,
dando relevo a testemunhos que apareciam do nada e sobre os quais não havia o mínimo cuidado de averiguarem se eram verdadeiros ou não, a uma série de contradições, de acusações sem pés nem cabeça que eram pura e simplesmente divulgados para um prévio julgamento, ou antes, uma prévia condenação pública do Carlos Cruz. Envenenou-se o público sem o mínimo interesse em se averiguar a verdade. Porque quem alguém como o Carlos Cruz, acusado de crimes
desses, faria aumentar audiências e vender jornais? Necessitava-se dum nome sonante como o dele para se chegar onde se propunham chegar. Entretanto, que é feito da Teresa Costa Macedo, conhecedora de tudo o que se passava e que por tantos anos se calou, encobrindo
os ditos pedófilos? Não devia ela estar também no banco dos réus?
E a tal Catalina Pestana? Porque não se investigou também o que se passava no Internato de Sta. Catarina, onde tantas raparigas foram abusadas e algumas obrigadas a abortarem, engravidadas que foram, dentro do internato, por beneméritos e padres?
Mais do que um processo judicial, este foi também um processo político, onde os maus da fita eram todos socialistas…Não, porque os outros
tinham ou têm uma moral isenta de qualquer acto reprovável… Engraçado, não é? E o ”artista” Rui Teixeira, que por uns tempos ”virou”
vedeta? Porque motivo foi afastado e desapareceu da ribalta?
Tenho esperança que um dia toda a verdade venha ao de cima.
Neste momento apenas posso desejar que o grande injustiçado e a
grande vítima desta manobra com muitas ligações perigosas, o Carlos Cruz, que para azar dele era muito querido e muito popular, pelo que seria a figura ideal para ”cabeça de cartaz” desta peça teatral que tinha todos os ingredientes para ter sucesso, i.e., política, intriga, e sexo q.b., dizia eu, só desejo que ele, o nosso Carlos Cruz, consiga ter a força suficiente para continuar a sua luta em defesa do seu nome e da sua inocência.
Estamos juntos.’’