Arquivos Diários: 4 novembro, 2010

RUA SEM SAÍDA – de osvaldo wronski / curitiba

 

 

 

Havia algo de errado

Passando pela cabeça

Do osvaldo

 

Saiu de casa sem ensaio

E com a roupa do corpo

desabotoou a madrugada

 

O carro na garagem o esperava

Sem aquecer o motor

acelerou em disparada

 

 

O coração batia no limite da velocidade

Empreendida pelas ruas da cidade

Aumentando a quilometragem

 

 

Sem olhar pela sombra do retrovisor

Baixou instintivamente a cabeça

Ao passar entre as pernas do viaduto

 

Sem eira nem beira

Deixou pra trás

Toda a poeira

 

Havia alguém por perto

Bastava achar a pessoa errada

No lugar certo

 

Conheceu no percurso

anabela e anacleto

logo esquecendo

o nome deles por completo

 

 

Falava somente

na proporção do que ouvia

Pagava a vista toda conversa fiada

 

Saiu de si

Ao encontro de algo

Mas não havia alvo