MARILICE COSTI envia carta aberta à presidenta DILMA ROUSSEFF / porto alegre

Querida Presidente:

Hoje pensei numa forma de a contatar para lhe enviar a revista  O CUIDADOR. E, ao chegar em casa, uma pessoa no Facebook, sem saber disso, passa-me o seu acesso. Considero isso o movimento do coletivo, cuja forma de energia desconhecemos, onde está a solidariedade, que é onde nosso trabalho se insere. E ela, a energia, é real.

Sou cuidadora de portador de sofrimento psíquico há 39 anos e por isto é que iniciei este projeto. Há três anos, edito a revista que é para apoiar a qualquer cuidador, dar-lhe orientação, apoio e fundamentalmente, alento e partilha nas dificuldades e nas alegrias. Durante a sua criação, dei-me conta que todos somos cuidadores ou somos sociopatas! Cuidamos do amigo, do irmão, dos pais, de pacientes, de funcionários, de muitas pessoas. Existe um universo enorme de cuidadores invisíveis, os quais procuro trazer na revista, também na área pública.

A revista é também da comunidade, que tem ali seu espaço de “FALA” (e-mails e cartas) e “Depoimentos” onde conta sua história – se, ao cuidar, construiu-se, tornando-se um ser humano melhor – os quais acompanho pessoalmente por e-mail.

Seguimos com recursos próprios e muito trabalho, uma equipe mínima. Mas não abandonaremos esse projeto porque é o motivo atual da minha vida.

Como mãe e amiga de muitos familiares com problemas similares, solicito que amplie o seu olhar direcionando-o também aos cuidadores com filhos com problemas mentais. O problema é muito grave. Há pessoas mal atendidas na rede SUS (diagnósticos inadequados, logo, o medicamente está errado), consultas psiquiátricas demoram muitos meses, há CAPS em muitos pontos do país sem pessoal (apenas o prédio), há falta de leitos para internações, as moradias chamadas de residenciais terapêuticos estão sem regulamentação e sem fiscalização ou não existem, há falta de acolhimento (digo colo mesmo, abraço e empatia!) e cuidados adequados a nossos filhos que, ao morarem nessas casas ficam à mercê de cuidadores despreparados (alta rotatividade), até porque falta regulamentação, subsídio, estímulo para a criação desses lugares de cuidar. É importante quebrar paradigmas: não morar com o filho não é desassisti-lo, mas cuidar de si para ter tempo para amá-lo.

Há muitas experiências novas pelo Brasil, mas pouco se sabe. Na revista, temos espaço para contar e dizer que nossos filhos precisam de exercícios, de arteterapia, de alimentação nutricional, de escuta, sem que se tenha que pagar vários salários mínimos, o que é impossível à grande maioria da população.

Qual a diferença de saírem de manicômios e ficarem desassistidos em casas sem fiscalização? Então, os pais ou familiares, cansados do cuidado intermitente, adoecem junto no ato de cuidar, porque não têm vida social realizadora. As famílias cansam, os maridos vão embora, as mães ficam com tudo. E quando elas se forem?  Este é o maior medo dos familiares, que a mãe morra antes do filho portador, o que é muito comum.

Além disso, saber que nossos filhos são cuidados como cidadãos, é o que dá saúde à toda família.

Coloco-me à disposição, pois tenho plena certeza, que um cuidador bem cuidado, melhor cuidador será!  Este é o nosso mote na revista que está em seu Ano III, que passou a ter o subtítulo “Orgulho de Ser” para aumentar a autoestima dos cuidadores, a qualquer pessoa que exerça o cuidado em qualquer instância, pois quando ele é prolongado gera síndromes (a do Cuidador) que só é reconhecida pelo MT para os profissionais do cuidado. Nunca para as mães, cuidadoras eternas.

Certa de sua atenção,

Marilice Costi, editora-chefe, arquiteta e arteterapeuta – Porto Alegre/RS

http://www.ocuidador.com.br

 

4 Respostas

  1. Meus parabéns pelo esforço de seu trabalho de divulgação, que continue com fé em sua luta.

  2. Meus aplausos a tua iniciativa – e mais, ao chamares a atenção para a assistência necessária ao cuidadores. Pois, realmente, como enfocas, os familiares de vítimas da doença mental, sem apoio e recursos especíoficos – e até financeiros – acabam sofrendo uma síndrome de natureza idêntica, proliferando os cuidadores carentes de cuidados. Todos os órgãos que participam do sistema de acompanhamento e recuperação de indivíduos com sofrimento psiquico, deveriam ser melhor equipados, regulamentados e fiscalizados – principalmente quanto aos índices de sucesso, para que se possa ter uma idéia sobre seu desempenho saneando as lacunas e os procedimentos , avaliando seu desempenho, pois de nada adianta renomear
    e/ou substituir instituições, quando os resultados continuam os mesmos – pior: sempre mais desastrosos. Parabéns pela iniciativa. Aurea.
    érns

  3. Marilice:`Parabéns teu texto endereçado à Presidenta Dilma, está muito bem focado.
    Nós cuidadores, agradecemos e reforçamos teu pedido: um novo olhar para quem é CUIDADOR!
    Ivone Feijó Ribeiro – Presidente Honorária da APORTA-RS
    Associação de amigos, familiares e portadores de Transtornos de Ansiedade
    Rua Dr. Timóteo 878 – Moinhos de Vento – Porto Alegre/RS
    Fone: (51) 3061-0552 (à tarde)

    1. Agradecemos as palavras gentis de todos e informamos que em nosso portal ww.ocuidador.com.br está o ABAIXO ASSINADO, onde precisamos dos nomes das pessoas (com CIC, para ter valor legal), onde aguardamos a presença de todos os cuidadores.
      Grande abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: