Arquivos Diários: 4 abril, 2011

ZIRALDO é condenado por má administração de dinheiro público / foz do iguaçu.pr

Improbidade administrativa ocorreu em festival de humor, em Foz do Iguaçu.
Artista e demais envolvidos na organização do evento podem recorrer.


Ziraldo (Foto: Ana Colla/Divulgação/Melhoramentos)
Ziraldo (Foto: Ana Colla/Divulgação/Melhoramentos)

O escritor Ziraldo Alves Pinto foi condenado pela 2ª Vara Cível Federal de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, por improbidade administrativa na realização, em 2003, do primeiro Festival Internacional do Humor Gráfico das Cataratas do Iguaçu (Festhumor) e no “Fantur – Iguassu dê uma volta por aqui”. O artista e os outros reús podem recorrer da decisão.

A sentença saiu em 31 de março deste ano e condenou 11 das 13 pessoas envolvidas na organização do festival. O irmão do artista Zélio Alves Pinto também foi condenado.

A ação foi movida, em 2006, pelo Ministério Público Federal e relata que o dinheiro público municipal e federal foi mal utilizado porque, segundo a sentença, para o primeiro Festhumor, houve contratações sem licitação e pagamentos em duplicidade, que corresponde a remuneração dupla pelo serviço prestado uma vez. O processo relata ainda desvio de verba no Fantur, que foi uma ação promovida pela Secretaria de Turismo de Foz do Iguaçu para levar jornalistas e cartunistas para cidade, com todas as despesas custeadas pela prefeitura.

A sentença proferida pelo juiz Roni Ferreira traz diferentes condenações, entre elas suspensão dos direitos políticos por até oito anos, pagamento de multa duas vezes maior do que o dano causado aos cofres públicos, a proibição de fechar contratos com órgãos públicos e ainda o impedimento dos réus receberem benefícios ou incentivos fiscais, por cinco anos.

G1 tentou entrar em contato com Ziraldo, mas o empresário do escritor, Mário Gasparotti, afirmou que ele estava fora do Brasil. Gerson Baluta, advogado de defesa de Ziraldo nesta ação, não quis se pronunciar.

Desde a criação do Festhumor, Ziraldo é o presidente de honra do festival. Em 2003, o irmão era o diretor geral do evento e a empresa dele, Zélio Arte Programação Visual, foi contratada sem licitação.

 

Bibiana DionísioDo G1 PR,TV Foz do Iguaçu

UNIVERSIDAD de SALAMANCA nomeia LULA Doctor Honoris Causa / espanha

Lula, doutor em Salamanca

La USAL nombrará doctor ‘honoris causa’ a Lula da Silva

Actualizado viernes 01/04/2011 08:12 horas

do site do jornal El Mundo, da Espanha

O Conselho de Governo da Universidade de Salamanca aprovou a nomeação de Doutor Honoris Causa a Luiz Inácio ‘Lula’ da Silva, ex-presidente do Brasil, a ser submetida à ratificação do conselho de doutores. Dita distinção foi aprovada pelo departamento de Didática, Organização e Métodos de Investigação da Faculdade de Educação e pelo de Língua Espanhola da Faculdade de Filologia. Com o acordo de ambos, o diretor do Centro de Estudos Brasileiros, Gonzalo Gómez Dacal, exercerá o papel de padrinho de entrega. O professor Gómez Dacal foi o encarregado de pronunciar a defesa da candidatura Lula da Silva na sessão do Conselho de Governo.

Entre os méritos que avaliam a investidura se inclui o esforço realizado por da Silva para universalizar a educação de toda a população do Brasil, tanto no nível básico como em estudos superiores, para os quais criou um sistema de bolsas com importantes dotações orçamentárias. Igualmente, aumentou o orçamento e melhorou a situação do professorado com o objetivo de dotar o coletivo da dignidade necessária para conseguir que toda a população do Brasil, um país onde os índices de desenvolvimento e crescimento são elevados e que se já se apresenta como uma das grandes potenciais econômicas do futuro, tenha a seu alcance os melhores níveis de educação e cultura.

A proposta do Departamento de Língua Espanhola se juntou ao da Educação para assinalar como mérito o ensino obrigatório do espanhol no Brasil através da conhecida “Lei do Espanhol”. A Universidade de Salamanca será assim a primeira instituição acadêmica espanhola a realizar a proposta.

texto da universidade: http://www.usal.es/webusal/node/8227

.

FHC, zé serra, tucanos (psdb) e demos (dem) ficam desesperados com essas ocorrências. “nunca antes” alguém, presidente ou não, foi tão reconhecido internacionalmente pelas suas ações e posições como o ex-presidente-operário LULA. para eles, netos da corte monárquica, e filhos da elite escravagista e despudorada isto é inadmissível. então acusam-se, entre si, desertam, agridem e vivem de lembranças dos aureos tempos da roubalheira consentida.

EXÉRCITO MANDA QUE GENERAL SE CALE E CANCELA PALESTRA PRÓ-64

O Comando do Exército abortou na última hora uma palestra com potencial explosivo do diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT), general Augusto Heleno, com apologia ao Golpe de 1964. O tema da palestra seria “A Contrarrevolução que Salvou o Brasil”.

A apresentação do general estava confirmada até as 17 horas de quarta-feira, quando chegou a ordem do comandante do Exército, Enzo Peri, determinando o cancelamento do evento. A apresentação ocorreria no mesmo dia em que Heleno, liderança expressiva na caserna, foi para a reserva.

Primeiro comandante brasileiro no Haiti, o general preferiu silenciar sobre o conteúdo da palestra e também sobre os motivos pelos quais o evento foi cancelado. Disse apenas que cumpriu ordem superior: “Recebi ordem. Sou militar, recebo ordem. Hierarquia e disciplina. Recebi a ordem ontem, no final da tarde. Tem uma frase famosa: nada a declarar”, afirmou Heleno.

O general se limitou a dizer que a abordagem seria exclusivamente “31 de março de 1964″, mas não quis entrar em detalhes sobre o contexto histórico que seria levado aos colegas de farda. Nas redes sociais, militares se preparavam para o “desabafo de Heleno”. Um oficial ouvido pelo jornal O Globo disse que o depoimento era aguardado com “grande expectativa”.

Nesta semana, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, determinou aos comandantes das três Forças que não houvesse qualquer ato que exaltasse a data que deu início ao regime militar. Entretanto, como Heleno é general de quatro estrelas com grande destaque na tropa, coube ao comandante Enzo Peri a tarefa de impedir sua manifestação, às vésperas de sua aposentadoria.

Quanto às comemorações nos clubes militares, o ministério avalia que não tem como evitar ou tentar coibir manifestações de oficiais da reserva que estavam na ativa naquele período.

com informações do O Globo