O ESPELHO E AS TAÇAS – de zuleika dos reis / são paulo


A criatura no umbral de si mesma

que não ousa nem sabe o que protege

se o que está dentro, se ao outro fantasma

este que a olha e que a nada reage.

.

Medusa petrificada, o espelho

para sempre a olhá-la, em mudez mútua,

ambos suspensos no tempo, este velho

com a arca trancada, e nós na árdua

.

labuta inútil por achá-la, a chave

da arca, do Graal santo… As taças

de todo o prazer a mover o mundo.

.

Tu, meu amor, se o teu amor me enlaça,

sabes-me inteira, que a mim descongelas,

e em meu corpo conhece-te a ternura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: