Arquivos Diários: 29 maio, 2011

“Época” deve ser processada pelos leitores por mentir, enganar, induzir ao erro e falsificar informação.


May Época não merece desmentido. Merece processo
Os médicos Antônio Carlos Onofre de Lira, diretor técnico, e Paulo Ayroza Galvão, diretor clínico do Hospital Sírio-Libanês, por solicitação da Presidenta Dilma Roussef, emitiram agora à tarde um longo e detalhado relatório sobre os atendimentos prestados a ela.

Tratam em detalhes e com absoluta transparência todo os diagnósticos e terapêuticas relativos a eles.

O assunto de interesse público – a saúde da Presidenta – foi tratado com uma transparência ímpar. Aliás, sempre foi, mesmo quando ainda candidata.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mas não foi transparência o que fez a Época. Foi violação de documentos médicos privados – e cuja divulgação só pode ser feita por autorização do paciente, segundo resolução nº1605/2000, do Conselho Federal de Medicina.

A revista teria todo o direito de formular perguntas sobre a saúde da presidente a ele ou a seus médicos. Mas está confesso nas próprias páginas da revista que “Época teve acesso a exames, a relatos médicos e à lista de medicamentos usados pela presidente da República”. Não foi, repito, informação sobre assuntos ou políticas públicas. Nem mesmo um diagnóstico ou prognóstico que, por sério, pudesse ter interesse para a sociedade. Foram detalhes personalíssimos, que a ninguém dizem respeito.

Isso é crime, previsto no Art. 154 do Código Penal. Tanto quanto é crime a violação de um extrato bancário, de qualquer pessoa. Crime para quem viola o que está sob sua guarda, seja um profissional hospitalar ou um gerente de banco, quanto para quem o divulga, sabendo que foi obtido de forma ilícita.

Não havia um crime a denunciar, um perigo a prevenir, algum direito de pessoa ou da sociedade a proteger, com a divulgação.

A intenção, prevista na lei de “produzir dano a outrem” está marcada pela fotografia “fúnebre” da capa e pela reunião maliciosa entre o uso de remédios para uma infecção – a pneumonia – com outras situações que nada têm a ver com ela – o hipotireoidismo, por exemplo – e até substâncias de uso tópico para aftas, como o bicarbonato de sódio e o Oncilon.

Isso nada tem a ver com o dever de dar informações sobre a saúde de uma pessoa pública. Tanto que elas são e foram dadas sempre, nos boletins médicos.

A motivação foi política: gerar medo, intranquilidade e dúvida sobre sua capacidade de governar. O que se praticou foi um crime – e não apenas um violação ética, o que já é grave – e crimes devem merecer responsabilização.

Mas, aqui, no país onde o inimigo político é culpado até que prove sua inocência (e olhe lá), pretender que a imprensa aja dentro da lei é “perseguição”.

PS. Senti falta da nossa blogosfera progressista para falar deste absurdo e do assanhamento tucano em demolir o governo que o povo elegeu. Será o frio que está fazendo hoje? (Em tempo, o Azenha deu divulgação a esta maracutaia farmacêutica da Época)

jornalismo feito no chiqueiro por sicários de aluguel.

Share

FILÓSOFO DE BAR por sérgio da costa ramos / ilha de santa catarina

Não havia madrugada boêmia na Ilha sem o “Bauru” do Alvorada ou a linguiça frita com pirão branco do Universal.

Nunca se viu, na história dos botequins mais venerados da Ilha, um bar tão fiel ao próprio nome:Universal. Para o seu modesto salão confluíam bêbados de todas as classes sociais, dos intelectuais que chegavam do Cristal Lanches aos jovens famintos, plenos de testosterona, egressos das artes sexuais da Vila Palmira. Ou até os caçadores de “mariposas” tardias, que se valiam da baixa oferta para fechar o último programa da noite.
Entre brahmas e brumas, a “raça” aprofundava o debate rumo aos albores da manhã – que se produzia entre moscas, mariposas e mentes luminosas, derrubando governos ou, modestamente, preparando a gazeta da primeira aula de Direito Romano na faculdade. Não muito distante dali _ rua Esteves Júnior, fundos para a Tenente Silveira.
Foi numa noite de “máximas e mínimas”, quando todos já estavam “pra lá de Bagdá” – e os garçons arrastando os móveis para cerrar as portas – que o filósofo ilhéu José Hamilton Martinelli lavrou a frase imortal:
– Vamos pedir a saideira que é pra manter odesequilíbrio
O entardecer da sexta é o supremo momento da libertação, quando a última luz do poente se esconde por trás do biombo azul da Serra do Mar.
Basta raiar a aurora de uma sexta-feira e a sua exclusiva atmosfera começar a inocular no ser humano a “comichão” do bem-viver, que se irradia pela epiderme e que repercute nos lábios sedentos, prelibando o primeiro gole.
Os mais “descompromissados” começam bem cedo. Antes do meio-dia, já enforcam o serviço, suspendem as “obrigações de fazer” e estacionam em algum alambique amigo, na orla do mar ou no Mercado _ onde houver um “Santo” para receber uma xepa, o tradicional “golinho” lançado ao chão, para dar de beber aos mestres que já se foram.
Assim como há, na liturgia cristã, o momento certo de erguer o cálice, há na vida “paisana” o momento ideal para escolher a bebida certa.
Era o que também dizia o poeta Vinicius, só que a propósito de mulher:
– Bonitonas ou bonitinhas, todas têm a sua vez ao longo de 24 horas…
Bebida é igual. Fernando Sabino, o cronista e o romancista que marcou gerações com O Encontro Marcado, era um bebedor “etilicamente correto”. Cumpria um imaculado ritual de “tempo, lugar e líquido certo”, repugnando-se com qualquer quebra dessa etílica liturgia.
– Bebida tem muito a ver com a hora e com o dia. É como roupa de mulher. Cada drinque deve ser servido no copo adequado – e com gelo de máquina, prontinho para ser fotografado para alguma revista colorida, em impecável papel “couchê”.
O gim-tônica, por exemplo. É bebida de verão. E só se deve tomá-lo antes do almoço, e um só, de preferência de frente para o mar, “aos sábados, domingos e feriados”.
Gim não combina com qualquer forma de trabalho, nem mesmo o de renovar o gelo do copo, como se faz com o uísque, bebida “noturno-vespertina”, só palatável depois do “Angelus”.
Chope também tem hora e estação. É bebida para a primavera-verão – um “estupidamente-gelado” não combina com o inverno, diante do horror que causaria ao “rito” o cidadão ter que usar luvas para segurar o copo.
Conhaque só se deve tomar no Inverno – de lareira acesa, antes que nos enrosquemos com nossa “coberta de orelha”, naquele nunca assaz repetido exercício que gerou a humanidade.
As bebidas brancas, como o “poire” e as cachaças, têm lá a sua vez – embora prefira os uísques, saiotes de bom caráter e melhor cor – aquele “âmbar” ao “som” do chacoalhar do gelo.
E como hoje já é sexta, véspera da glória do sábado, quando o bar vira o lar, ergo um brinde aos caros leitores – e a todos os filósofos e apóstolos de bar, estes seres iluminados, que sabem enxergar com extrema lucidez os caminhos da embriaguez.