A CANÇÃO DO RELÓGIO – de zuleika dos reis / são paulo


                          

Hora vai

Hora vem

ora vais

ora vens.

No vão dos dias

o pêndulo

vai-e-vem

não vais nem vens.

O pêndulo

entre teu vai e teu vem

entre teu não vai e teu não vem.

Os ponteiros do relógio

só vão

nunca vêm.

Viajante só de vai

nunca de vem

o tempo

passa o tempo

o tempo

nem ri de nós

só se esvai

sem saber de ninguém.

Anúncios

2 Respostas

  1. Pois é, caro. É isso tudo mesmo, isso tudo que amplias, no teu poema-comentário.
    Beijo
    Zu.

  2. Para onde vai
    o tempo que se esvai?
    Com certeza não com o viajante.
    Que mais fica que vai.
    E quando vai não se sente lá,
    tendo que conscientizar-se de que esta.
    E quando não vai,se sente lá.
    tendo que conscientizar-se do sonho.
    Pobre tempo,pobre viajante,
    sem saber que o tempo viaja mais que ele.
    Sentindo que ele se esvai,
    sem sair do lugar, num vai e vem eterno.
    Num sem vai nem vem eterno.
    Sem saber se o tempo, areia fugidia
    constroi dunas alem dos ponteiros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: