Arquivos Diários: 4 setembro, 2011

Mais de 400 mil saem às ruas pedindo justiça social em Israel / tel aviv

TEL AVIV/AP

Milhares de israelenses se mobilizaram neste sábado e saíram às ruas centrais de várias cidades exigindo mudanças na política econômica do governo Netanyahu. A maior manifestação ocorreu em Tel Aviv, onde cerca de 300 mil pessoas se reuniram na praça Kikar Hamedida, no centro da cidade. Os manifestantes levavam cartazes e faixas com o slogan “O poder do povo” ou com mensagens para o primeiro ministro “Bibi Netanyahu, vá para casa”, e gritavam consignas como “Queremos justiça social”.

 

Apesar do recrudescimento da situação em Gaza, milhares de israelenses se mobilizaram neste sábado e saíram às ruas centrais de várias cidades em defesa de reformas no sistema econômico e educacional, de uma mudança na legislação trabalhista e da baixa de custos para adquirir ou alugar uma moradia, produto da política neoliberal do ministro Benjamín Netanyahu.

Segundo os organizadores, mais de 450 mil pessoas participaram dos protestos – número superior as 300 mil que saíram às ruas no mês passado – naquela que foi considerada a maior manifestação da história de Israel por motivos não vinculados ao conflito no Oriente Médio.

Ainda que o cartaz de convocação da manifestação afirmasse, em um jogo de palavras, “Eles só entendem números”, os organizadores insistem que o êxito do protesto não deve ser medido unicamente pelo número de participantes. O ministro da Defesa, Ehud Barak, disse que só 100 mil pessoas participaram dos protestos.

A maior manifestação ocorreu em Tel Aviv, onde cerca de 300 mil pessoas se reuniram na praça Kikar Hamedida, no centro da cidade. Os manifestantes levavam cartazes e faixas com o slogan “O poder do povo” ou com mensagens para o primeiro ministro “Bibi Netanyahu, vá para casa”, e gritavam consignas como “Queremos justiça social”.

“Queremos só uma coisa, que não é fácil, mas simples, viver neste país. Não só queremos amar o Estado de Israel como já fazemos, mas sim existir aqui com dignidade e viver aqui dignamente”, disse Shmuelei, um dos líderes do movimento de protesto.

“Eles nos disseram que o movimento estava parando. Hoje estamos mostrando que é o oposto. Nós somos os novos israelenses, determinados a continuar a luta por uma sociedade melhor e mais justa”, disse o presidente do sindicato dos estudantes, Itzik Shmuli, à multidão.

Netanyahu designou um comitê liderado pelo economista argentino Manuel Trajtenberg para analisar mudanças sócio-econômicas. Trajtenberg disse que apresentará suas recomendações no período das próximas festas judaicas, no final de setembro.

Pagina/12

Tradução: Marco Aurélio Weissheimer

MALABARISTA – de wagner oliveira de melo / curitiba

Malabarista!
Eu sou você!
Destino ou acaso, quem é que decide?
Tortas ou retas, todas as linhas levam pro mesmo lugar. ( Afirmação ingrata).
No cartório, com nome e sobrenome legalizaram o aborto.
-Vai meu filho ser malabarista nessa vida!
Embora pequeno, já é adulto aquele menino. Vestindo a camiseta da ganância, todas as tardes ele compartilha suas moedas escassas com aquele espelho d`água; e sob o reflexo narcisista dos edifícios, repete o pedido de ontem, o mesmo de amanhã.
Voar, voar!
Tão alto quanto os edifícios, mais alto ainda, muito além das faces que se escondem atrás dos vidros escuros, olhos escuros, óculos escuros. Negligênciando, vilipendiando, atropelando a sua imagem e semelhança.
Eu sou você sem querer ser.